Thursday, November 17, 2005

O Galinho Chicken Little (Chicken Little, 2005)




Bem no início de “O Galinho Chicken Little”, o diretor Mark Dindal faz uma brincadeira. O seu narrador, o Galinho, não sabe como iniciar a sua história. Ele considera as idéias do “Era uma Vez”, da canção e de um livro que resuma o seu começo. Na realidade, a indecisão do Galinho reflete uma crítica à própria maneira pela qual os estúdios Disney encaravam as suas animações, ao mesmo tempo em que mostram a incerteza do estúdio em relação ao seu futuro na área – “O Galinho Chicken Little” é a primeira animação digital da Disney depois do término da parceria com a Pixar.

Como já foi mencionado, o filme conta a história do Galinho, um jovem franguinho que vira motivo de piada na sua cidade quando achou que um avelã que caiu em sua cabeça era um pedaço do céu que estava ruindo. O Galinho não admite que ninguém acredite na sua palavra, muito menos o fato de que perdeu o respeito e a admiração da pessoa que ele mais ama na vida: o seu pai – que todo o tempo sugere ao filho que se esconda, assim ele não fará mais besteiras.

Para reconquistar o amor do pai – um ex-jogador famoso de campeonatos escolares de beisebol – e, conseqüentemente, restabelecer a sua reputação na cidade, o Galinho decide entrar no esporte. Depois das finais do campeonato escolar, o Galinho se depara novamente com o pedaço do céu que ruiu (que, na verdade, eram naves alienígenas) e caiu em sua cabeça. A fim de não repetir o mesmo erro e cair nas brincadeiras populares, o Galinho trabalha arduamente para provar a todos que ele nunca mentiu a respeito desse assunto.

Só de ver o resumo da história de “O Galinho Chicken Little” já dá para notar que o filme é muito irônico. O Galinho é um herói inusitado, incomum, com jeito de nerd e totalmente sem auto-estima. O diretor Mark Dindal usa cenários bastante coloridos para contar a sua história – cujo principal eixo é o relacionamento familiar, ao mostrar duas figuras paternas tão diferentes e, ao mesmo tempo, tão complementares: aquele que é capaz de iniciar uma pequena guerra para recuperar seu filho e aquele que recobra a sua cria quando decide dar importância ao diálogo entre ambas as partes.

1 comment:

Romeika said...

Kamila, só vc mesmo pra conseguir fazer uma crítica 'séria' de um filme desses..rsrsrsrs..massa;)
Ei, cadê a cotação?? Tava sentindo falta de alguma coisa por aqui..coloca a cotação dos filmes, mulher.