Thursday, November 29, 2007

Piaf - Um Hino ao Amor (La Môme, 2007)

A cantora francesa Edith Piaf faz parte de uma linhagem de intérpretes como a brasileira Elis Regina e a norte-americana Judy Garland. Ou seja, Piaf era uma daquelas artistas que se entregava de corpo e alma à sua arte. Dona de apresentações intensas e extenuantes do ponto de vista físico, a francesa também teve uma vida digna de um roteiro de filme. E é justamente isto que acontece com o lançamento da cinebiografia “Piaf – Um Hino ao Amor”, do diretor Olivier Dahan (que co-escreveu o roteiro do filme ao lado de Isabelle Sobelman).

Nascida na comunidade de Grasse, no ano de 1915, Edith Piaf era filha de um casal ligado à classe artística. A mãe (que, no filme, é interpretada por Clotilde Courou), uma cantora que nunca obteve sucesso, e o pai (interpretado por Jean-Paul Rouve), um contorcionista, não proporcionaram à Edith o crescimento em um lar estável. Quando criança, era negligenciada pela mãe e foi abandonada pelo pai em um bordel; para depois ser reintegrada ao seu convívio tendo que trabalhar se apresentando nas ruas parisienses para ajudar a sustentar os dois.

A grande virada na vida de Piaf aconteceu quando ela conheceu o empresário Louis Leplée (Gerard Depardieu), o dono de uma casa noturna em Paris. Através dele, Edith foi apresentada a personalidades do mundo da música que iriam acompanhá-la até o dia de sua morte (10 de Outubro de 1963, quando a cantora tinha somente 48 anos, mas com uma aparência – e a fragilidade – de uma mulher de 70 anos) e a transformariam na grande intérprete que ela foi – especialmente Raymond Asso (Marc Barbé), o homem que lapidou o dom que a cantora possuía.

No entanto, a maior sacada do diretor Olivier Dahan, em “Piaf – Um Hino ao Amor”, foi encontrar a verdadeira essência da personalidade de Edith Piaf. Mesmo ela tendo sido uma mulher que foi extremamente magoada durante toda a sua vida e, apesar de ter perdido aqueles a quem mais amava – além de Louis Leplée, que ela chamava de seu segundo pai; foram a prostituta Titine (Emmanuelle Seigner), que a amou como se fosse sua mãe; e o boxeador Marcel Cerdan (Jean-Pierre Martins), que foi o homem de sua vida –, a fé inabalável que ela tinha em Santa Teresa nunca a deixou perder a crença no amor. E ela fez desse sentimento a sua maior inspiração, ao cantar músicas sobre o tema que se tornariam verdadeiros clássicos, como “La Vie em Rose”, “Hymme à L’amour”, “Sous le Ciel de Paris”, “Les Amants d’un Jour”, entre tantas outras – porém, no filme, toda a vida de Piaf pode ser sintetizada por uma outra canção, “Non, Je Ne Regrette Rien”, que ela canta emocionada em sua volta aos palcos parisienses na cena que encerra “Piaf – Um Hino ao Amor”.

Mais do que a sua complexa – e interessante – personagem principal, o melhor motivo para se assistir ao filme “Piaf – Um Hino ao Amor” é a interpretação da – desde já favorita ao Oscar 2008 de Melhor Atriz – francesa Marion Cotillard (antes vista em papéis de pequeno destaque em filmes como “Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas”, de Tim Burton, e “Um Bom Ano”, de Ridley Scott). Assim como Judy Davis na minissérie “A Vida com Judy Garland” e Helen Mirren no filme “A Rainha”, Cotillard mergulha fundo na alma de seu personagem. Aqui, não existem limites entre atriz e Piaf. As duas são uma só. E é por ela – e pelo excelente trabalho de figurinos, direção de arte e fotografia, que merecem também uma atenção especial do Oscar – que a gente perdoa os erros de transição cometidos pelo diretor Olivier Dahan.

Cotação: 7,0

Piaf - Um Hino ao Amor (La Môme, França, Inglaterra, República Tcheca, 2007)
Diretor(es):
Olivier Dahan
Roteirista(s): Olivier Dahan, Isabelle Sobelman
Elenco: Marion Cotillard, Sylvie Testud, Pascal Greggory, Emmanuelle Seigner, Jean-Paul Rouve, Gérard Depardieu, Clotilde Courau, Jean-Pierre Martins, Catherine Allégret, Marc Barbé, Caroline Silhol, Manon Chevallier, Pauline Burlet, Elisabeth Commelin, Marc Gannot

12 comments:

Otavio Almeida said...

Exato, Kamila! É por Marion Cotillard que a gente perdoa alguns erros do diretor. Espero que ela ganhe o Oscar. Dizem que ela pode perder por causa da língua do filme. Mas diabos... até o Roberto Benigni ganhou...

Johnny Strangelove said...

Assim ... pensei que a sua nota para o filme poderia ter sido bem maior ... mas assim, eu fico surpreso com o trabalho de maquiagem do filme e com a forte atuação dela ...

mas deverias agradecer ao diretor Oliver Dahan que evoluiu de verdade comparado ao seu outro filme: Rios Vermelhos II (que na minha opinão, abaixo do primeiro filme que foi dirigido por Mathieu Kassovitz) ...

abraços

Kamila said...

Otavio, acho que a barreira da língua não será o maior problema da Marion para ganhar o Oscar, e sim o Olivier Dahan e sua montagem confusa. A maioria das opiniões é: o filme é razoável, mas a Marion é demais.

João, eu não assisti à continuação de "Rios Vermelhos", por isso não posso falar sobre a evolução do Dahan. Mas, o que vale em "Piaf" não é nem o trabalho dele, e sim o de Marion Cotillard. O filme tem que ser visto por causa dela.

Beijos.

Johnny Strangelove said...

Assista por curiosidade e iras entender o que estou lhe falando ... e sim
estou fazendo a resenha do até então amado por muitos, Ratatouille ... porém ...

você verá ...
xerinho

Museu do Cinema said...

Belissimo filme Kamila, vc captou muito bem a essencia dele, não a toa o diretor fez o papel especialmente a Marion.

Ah, ouvi (no blog do Merten), e como vc tá mais bem informada que eu..., que as chances da Marion diminuiram, procede isso?

Matheus Pannebecker said...

Marion merece o Oscar, ponto final. Acho que dificilmente alguém conseguirá vir com uma interpretação tão poderosa como a dela. Se como filme é razoável, ao menos eles devem consagrar o maior coringa da produção. E chega de preconceito do Oscar com estrangeiros! Se ela ganhar, será uma das premiações mais justas das últimas décadas.

Vinícius P. said...

Concordo com sua opinião, ainda que tenha gostado um pouco mais do filme. Fiquei encantado com a produção técnica, realmente das melhores do ano, sem falar da atuação da Marion Cotillard (que para mim merece apenas a indicação ao Oscar, mas não o prêmio - desse ano, a Ashley Judd é minha favorita). Enfim, se não fosse por esse diretor, poderíamos ter um filme inesquecível.

Wally - Cine Vita said...

Ótimo texto e concordo bastante, principalmente com o último parágrafo. O diretor comete sim, erros na narrativa e o roteiro não é dos melhores, mas certas passagens são belíssimias, tanto tecnicamente (fotografia incrível), e emocionalmente (aquele final me cativou). Mas sim, o verdadeiro valor é Cotillard. Merece e muito o Oscar.

Nota 8,5

Dewonny said...

Esse já ta na lista pra ser visto antes do oscar!!!
Abs e bom fim de semana Kamila!
Diego!!!

Wiliam Domingos said...

Ainda não vi, mas verei logo...

Não vejo outra melhor representante para o Oscar de Melhor Atriz do que Cotillard! Apenas pelo trailer do filme é de se perceber que a atriz entra totalmente em físico/emocional de Piaf!
Outro ponto que o trailer já demonstra é a fotografia e atmosfera artística decadente da época!
Irei ver sim!
até mais! beeijo!

Kamila said...

João, já sei que você nem gostou de "Ratatouille" pelos seus comentários aqui no blog. Pode deixar que irei ler sua resenha.

Cassiano, que eu saiba as chances da Marion continuam fortíssimas, ainda mais porque o lançamento de "La Vie en Rose" em DVD aconteceu nesta semana passada, nos EUA, e ela voltou com tudo à mídia.

Matheus concordo plenamente e espero que a língua estrangeira não tire o Oscar da Marion.

Vinícius, mas a Ashley Judd e "Bug" não são um filme de 2006? Como poderia concorrer ao Oscar neste ano?

Wally, concordo com seu comentário.

Diego, este é um filme que DEVE ser visto antes do Oscar.

William, você está certo em sua impressão. Além da Cotillard, a reconstituição de época de "Piaf" é sensacional.

Bom domingo!

Anonymous said...

http://achatcialisgenerique.lo.gs/ prix cialis
http://commandercialisfer.lo.gs/ cialis pas her
http://prezzocialisgenericoit.net/ costo cialis farmacia
http://preciocialisgenericoespana.net/ comprar cialis