Friday, December 07, 2007

O Passado (El Pasado, 2007)

Já está no significado da palavra passado. É um momento ido, decorrido, que já foi. No novo filme do diretor Hector Babenco, “O Passado” (que foi escrito por Babenco e por Marta Góes com base no livro de Alan Pauls), encontramos um casal – Rimini (Gael García Bernal) e Sofía (Analía Couceyro, numa ótima atuação) – que está completamente ligado a este tempo verbal.

Quando a trama de “O Passado” começa, Rimini e Sofía estão terminando um relacionamento que durou 12 anos, para a surpresa de amigos – que eram unânimes em dizer que o ex-casal os fazia acreditar no amor verdadeiro. Através do personagem Rimini, acompanhamos as diversas tentativas que ele faz no sentido de recomeçar a sua vida. No entanto, a cada novo início uma constante: não importa com quantas mulheres ele se deite, ou com quantas ele dê um beijo, Sofía sempre será uma sombra em sua vida, tendo em vista que ela acredita piamente que a separação é somente uma fase que Rimini tem que passar para amadurecer e experimentar novas sensações antes de acabar voltando para ela.

Na época do lançamento de “O Passado”, o diretor Hector Babenco causou polêmica com a declaração de que não existe ator brasileiro na faixa etária do mexicano Gael García Bernal que seja tão talentoso quanto ele. A afirmação chega a ser até injusta com uma das melhores safras recentes de atores brasileiros, na qual se destacam os nomes de Rodrigo Santoro, Caio Blat, Matheus Nachtergaele, Daniel de Oliveira, Wagner Moura e Selton Mello – só para citar alguns nomes. Todos eles poderiam interpretar Rimini, um personagem que é bastante complexo, com a mesma competência do ator mexicano – que, no filme, tem uma performance que não iguala os seus melhores momentos em obras como “Má Educação”, do espanhol Pedro Almodóvar, e “Diários de Motocicleta”, do brasileiro Walter Salles.

Como filme, “O Passado” tem uma influência bastante européia. A narrativa adotada por Hector Babenco é lenta e chega a ser chata em determinados momentos. Na parte técnica, podemos destacar a fotografia de Ricardo Della Rosa (que já havia mostrado seu talento em “Casa de Areia”, de Andrew Waddington) e a música de Iván Wyszogrod. Mesmo assim, nada dissipa a impressão de que o destino deste filme é ficar no passado – o que é um pecado mortal numa arte como o cinema, em que os filmes imortais são aqueles atemporais.

Cotação: 3,5

O Passado (El Pasado, Argentina, Brasil, 2007)
Diretor(es): Hector Babenco
Roteirista(s): Hector Babenco, Marta Goes
Elenco: Mabi Abele, Mariana Anghileri, Mimí Ardú, Paulo Autran, Ana Celentano, Analía Couceyro, Gael García Bernal, Marta Lubos, Miriam Odorico, Gustavo Pastorini, Claudio Tolcachir

9 comments:

Victor Nassar said...

"O Passado" vale uns 5,0 pra mim. Realmente, o filme tem momentos que chega a ser chato e até certo ponto previsível, dá aquele deja vu, pelas situações estarem se repetindo e repetindo...
O excesso de palavõres e o tom quase pornô de algumas cenas também podem chegar a incomodar, e soar como desnecessário certas vezes.
Gael Garcia Bernal também não está a frente de atores brasileiros não.
Mas acho que o filme tem algum valor, é impressionante como existe mulher neurótica como a Sofia, que não consegue realmente 'evoluir'. E como existe também gente como Rimini, que no fim das contas nunca dá um basta definitivo.
Pelo fato do filme ter me provocado ao menos a fazer essas referências, acho que tem o seu mínimo de valor.


Beju Kamila!
..E bom trocadilho aqui > "nada dissipa a impressão de que o destino deste filme é ficar no passado."
hehe

Kamila said...

Victor, o que eu mais gostei nesse filme foi da atuaçao da atriz que interpreta Sofía. Eu acho que ela estava perfeita. O filme me deixou uma impressão negativa pela lentidão, pela chatice mesmo. Tinha horas em que a ação era parada demais. E concordo com sua análise de Sofía e Rimini.

Beijos e bom final de semana!

Johnny Strangelove said...

Nossa ... nem sabia que o filme era tão baqueado assim ... uma pena não ...
mas vou dá um esforço para ver-ló
xero
ehehe

Wally - Cine Vita said...

Não vi ele, mas apostava bastante, já que se trata do excelente Gael Garcia Bernal, uma pena. Vou tentar ainda vê-lo nos cinemas.

Ciao!

Otavio Almeida said...

Credo! Kamila, vc tem muita coragem, menina!

Bjs! Bom final de semana!

Kamila said...

João, você pode dar uma chance ao filme, mas eu não recomendo.

Wally, fui assistir ao filme mais pelo Gael García Bernal, mas nem ele consegue salvar o filme.

Otavio, coragem mesmo. Quase que eu desistia do filme no meio da sessão.

Beijos e bom final de semana!

Vinícius P. said...

Estava com muitas expectativas para esse filme, especialmente por ser a "volta" do Babenco, mas devo pensar duas vezes antes de assistir após ler essa crítica - talvez veja em DVD por causa do Gael, apesar de discordar dessa declaração do diretor.

Abraço!

Romeika said...

Kamila, eh dificil mesmo aguentar filmes extremamente lentos e de narrativa arrastada..principalmente se o enredo nao for envolvente de maneira alguma. Pelo menos vc conferiu uma boa atuacao (nao conhecia a atriz).

E concordo, eh ateh sacrilegio o Babenco afirmar algo assim, vc bem citou varios atores brasileiros talentosissimos que sao ateh melhores do que o Gael. Bom fds!

Kamila said...

Vinícius, acho que todo mundo discorda dessa afirmação do Babenco. E, com "O Passado", ele faz um filme com financiamento brasileiro, mas todo rodado na Argentina, com atores estrangeiros (salvo Paulo Autran e sua esposa Karin Rodrigues) e que não diz nada a respeito de nós. Estranho.

Romeika, o filme foi uma decepção geral, assim como a declaração do Babenco.