Monday, March 10, 2008

Jogo de Cena (2007)

Um anúncio de jornal convida mulheres maiores de 18 anos e que possuem uma história interessante para contar a comparecerem ao Teatro Glauce Rocha, no Rio de Janeiro. Oitenta e três mulheres responderam ao pedido. Dos relatos feitos por elas, o diretor Eduardo Coutinho selecionou 23 histórias. Durante o filme “Jogo de Cena” não assistimos a todos estes relatos, e sim a uma série de retratos da vida real, contados por mulheres que têm alguma coisa em comum.

Você vê nos olhos delas que elas possuem uma vida de sofrimento, de dor e de perdas. Algumas se viram diante de uma gravidez não planejada. Outras tiveram um rompimento abrupto de um relacionamento. No entanto, todas estas mulheres compartilham de um sentimento de esperança e de vontade de viver. É justamente isso que dá unidade ao documentário.

O diretor Eduardo Coutinho usa um formato muito interessante em “Jogo de Cena”. Sem nos avisar, ele alterna os relatos das histórias feitos por aquelas que as vivenciaram com a interpretação desses mesmos acontecimentos por atrizes profissionais (como Mary Sheyla, Marília Pêra, Andréa Beltrão e Fernanda Torres). A impressão que a platéia tem é a de exposição total, especialmente porque vemos essas atrizes em momentos de muita vulnerabilidade, em que elas expõem seus processos de composição de personagem. “Jogo de Cena” é um filme que instiga as reações de sua platéia ao brincar conosco. A não ser nos casos das atrizes conhecidas, fica muito difícil saber quem é a profissional e quem é a pessoa comum. Dessa maneira, o documentário mostra de maneira pungente como a própria vida, muitas vezes, acaba se confundindo com a arte.

Cotação: 8,3

Jogo de Cena (Jogo de Cena, Brasil, 2007)
Diretor(es): Eduardo Coutinho
Elenco: Marília Pêra, Fernanda Torres, Andréa Beltrão, Mary Sheyla, Gisele Alves Moura, Débora Almeida, Sarita Houli Brumer, Lana Guelero, Jack Brown, Maria de Fátima Barbosa, Aleta Gomes Vieira, Marina D'Elia, Claudiléa Cerqueira de Lemos

16 comments:

Vinicius Silva said...

Excelente filme. Um dos melhores do ano passado, senão o melhor. Mais um desse mestre chamado Eduardo Coutinho!

Kamila said...

Vinícius, não conhecia trabalhos anteriores do Eduardo Coutinho, mas sei da importância dele para o gênero de documentários no cinema brasileiro. Adorei "Jogo de Cena".

Vinícius P. said...

Quero muito ver esse filme, Kamila. Acho muito interessante esse formato que mistura ficção e realidade, acredito até que seja algo inovador - ao menos nunca assisti uma produção semelhante (nesse aspecto, porque nessa semana mesmo vi "A Morte de George W. Bush" e por vezes me perguntei de toda aquela história não era real mesmo).

Abraço!

Museu do Cinema said...

Interessante o plot Kamila, confesso que não conhecia!

Matheus Pannebecker said...

Estou louco pra ver esse filme, mas ainda não chegou por aqui. Recentemente ele passou aqui em Porto Alegre num festival de verão, junto com Savage Grace (tenho vontade de me matar por não ter visto esse!) e outros títulos raros, mas não consegui conferi-lo.

Vinicius Silva said...

Kamila, voce pode pegar Edificio Master para assistir, acho que irá gostar dele também.

É um filme que eu recomendo bastante e foi o primeiro que vi dele, em que ele filma durante uma semana o cotidiano dos 500 moradores do edificio que fica situado em copacabana. Muito bom. Vale a pena!

Vinicius said...

Esqueci de falar no anterior, se ele não tivesse feito esse Jogo de Cena, incluiria o Edificio Master como um dos melhores documentários que eu já vi, juntamente com o The Corporation, que também é muito interessante!

Pedro Henrique said...

Agora, já sei mais ou menos o que esperar de "Jogo de Cena".

Abraço!!!

Romeika said...

Pense numa ideia original! E focada em vidas femininas, o que eh ainda melhor. Estou pensando seriamente em comecar a baixar alguns ultimos filmes brasileiros..

Weiner said...

É um tipo de filme que me chama atenção, aliás, nosso cinema têm abusado da originalidade ultimamente, e com "Jogo de Cena" acho que isto deve ocorrer. Olha, é pena que nem todos os filmes nacionais estreiem por aqui, ou ainda nem todos chegam em dvd às vezes. Gostei de sua cotação, vou assistir com certeza, assim que puder.
Abraço!

Kamila said...

Vinícius, isso é verdade. Nunca tinha assistido a um filme como "Jogo de Cena". Essa questão da mistura entre ficção e realidade foi uma sacada enorme dele.

Cassiano, eu tinha ouvido falar desse filme no ano passado, mas não esperava que ele fosse ser tão bom assim.

Matheus, "Jogo de Cena" chegou em Natal, graças a uma Mostra de Filmes Brasileiros que está acontecendo neste mês.

Vinícius Silva, sugestão anotada!

Pedro, pode até esperar muito mais!

Romeika, originalíssima, não? E, ao mesmo tempo, tão simples. Você precisa mesmo começar a assistir aos filmes brasileiros mais recentes, Romeika.

Weiner, o problema da distribuição de filmes brasileiros é sério. Ainda bem que tivemos essa Mostra. Foram 4 semanas de bons filmes em cartaz.

Vulgo Dudu said...

Ô, que bela pedida! Perdi esse doc nos cinemas. Sou fã ardoroso do xará Coutinho. Queria saber extrair das pessoas o que ele consegue...

Bjs!

Wally said...

Ainda preciso me recuperar. Primo Basilio me deixou entorpecido. Estou atualmente traumatizado com filmes nacionais. Mas assim que a oportunidade chegar verei esse elogiado nacional.

Ciao!

Kamila said...

Dudu, como eu disse ao Vinícius, eu não conhecia o trabalho do Eduardo Coutinho. Nesse filme, em particular, ele consegue arrancar coisas das mulheres que são sensacionais. Momentos genuínos e que só são explicados por essa magia doida que se chama cinema.

Wally, "Primo Basílio", ainda bem, é a minoria dentro de nosso cinema. Te recomendo com afinco esse "Jogo de Cena".

Vulgo Dudu said...

Kamila, eu conheço a fundo a cinegrafia do Eduardo Coutinho. Porque me interesso por demais pela linguagem documentacional. Inclusive, já escrevi, por ofício, alguns roteiros e argumentos de documentários. Adoro!

Ele tem obras menos conhecidas, mas incríves como: Santa Marta, sobre a favela Dona Marta, aqui no Rio;Boca de Lixo, sobre um aterro sanitário em São Gonçalo; Peões, que mostra a história dos companheiros de metalurgia do Lula...

É um soberbo cinedocumentarista!

Bjs!

Kamila said...

Dudu, eu gosto muito da linguagem dos documentários e fiquei muito surpresa com o Eduardo Coutinho. Eu fiquei com vontade de assistir às outras obras dele, especialmente "Edifício Master" e
"Peões". Tomara que seja fácil encontrar os dois filmes.