Saturday, July 14, 2007

Harry Potter e a Ordem da Fênix (Harry Potter and the Order of the Phoenix, 2007)

Já virou uma rotina. Desde 2004, quando “Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban”, do diretor mexicano Alfonso Cuarón, estreou nas salas de cinema de todo o mundo, críticos e fãs são unânimes em afirmar que os filmes passaram a ter uma trama mais densa e que os personagens estavam amadurecendo. As mudanças vistas em cada um desses elementos, coincidentemente, também trouxeram um aumento na qualidade dos filmes da série – que passaram a ser mais bem executados.

Os roteiros dos dois últimos filmes da série – o já citado “Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban” e “Harry Potter e o Cálice de Fogo”, do diretor Mike Newell – dão um enfoque maior ao processo de amadurecimento pelo qual passa o bruxo juvenil mais famoso da literatura e do cinema. No primeiro filme, o vemos com uma personalidade marcante e um tanto rebelde e se deparando com Sirius Black (Gary Oldman), a figura paterna que ele irá adotar. Já no segundo, assistimos à maior provação que o bruxo passou (o torneio Tribuxo), bem como ao seu encontro com o poderoso e temido Lorde Voldemort (numa caracterização assustadora de Ralph Fiennes), aquele que é responsável pela maior dor de sua vida (a morte dos seus pais).

Em “Harry Potter e a Ordem da Fênix”, filme dirigido por David Yates, Harry (Daniel Radcliffe) está passando por um inferno astral. Desde a trágica morte de Cedric Diggory (Robert Pattinson) no filme anterior, o bruxo juvenil foi consumido pela raiva. Seu futuro em Hogwarts está ameaçado depois que ele aplica um feitiço na frente dos trouxas. Ainda no colégio, sua vida será um inferno e ele se isola de todos – até mesmo daquelas pessoas que mais o amam e só querem ajudá-lo, como os inseparáveis amigos Ron Weasley (Rupert Grint) e Hermione Granger (Emma Watson).

Não é só Harry Potter que está passando por mudanças. Hogwarts também passa por transformações. Preocupados com uma possível teoria de que o diretor Alvo Dumbledore (Sir Michael Gambon) está organizando um grupo (a tal Ordem da Fênix a qual o título se refere) para enfrentar a ameaça cada vez maior de Lorde Voldemort, o Ministro da Magia, Cornelius Fudge (Robert Hardy), decide interferir diretamente na educação que os futuros bruxos recebem e coloca uma de suas fiéis escudeiras, Dolores Umbridge (Imelda Staunton, excelente), para não só ensinar a matéria de defesa, como também para ser a nova dona do posto de diretora de Hogwarts.

“Harry Potter e a Ordem da Fênix” vive seu melhor momento quando Harry e sua própria brigada – formada por alunos que decidem quebrar as regras impostas por Dolores Umbridge em Hogwarts e que querem aprender os feitiços para defesa com medo de Lorde Voldemort – enfrentam aqueles que simplesmente ignoram a verdadeira catástrofe que seria um mundo dominado pelo perigoso Lorde das Trevas.

Durante muito tempo, a impressão que eu tive a respeito dos filmes – e, por conseqüência, dos livros – da série Harry Potter era a de que eles eram uma verdadeira enrolação. Eu sempre ficava esperando algo importante acontecer e, de alguma maneira, sempre terminava me decepcionando. Se “Harry Potter e a Ordem da Fênix” não é o melhor filme da série, pelo menos, ele elucida o grande objetivo da série de filmes sobre o bruxo juvenil. Tudo o que assistimos até agora é somente a grande preparação para o inevitável confronto entre Harry Potter e Lorde Voldemort. O que a trama de “Harry Potter e a Ordem da Fênix” mostra – nesse sentido – é que o Harry cheio de raiva seria facilmente derrotado por Voldemort. Harry, para ser um forte oponente, precisa se agarrar àquilo que o Lorde das Trevas não tem: amor e amizade. Que coisa simples, né? Mas, será que a gente não podia pular tudo isto e ir logo ao que interessa?

Cotação; 6,3

Crédito Foto: Yahoo! Movies

23 comments:

Romeika said...

Vixe, mas esse confronto finalmente acontece nesse filme ou ainda teremos que esperar um outro filme? Nao sou muito entusiasmada com os filmes da serie, mas com excecao do primeiro (chatissimo), todos me pareceram um bom entretenimento, fugaz, no entanto. Gostei principalmente do dirigido pelo Alfonso Cuaron. Acho que as aventuras do menino bruxo jah estao cansando, nem tenho mais tanta vontade de conferir o filme, mas irei assim mesmo.

Alex Gonçalves said...

Kamila, confesso a você que nunca fui muito fã da série cinematográfica do jovem bruxo “Harry Potter”. Creio que todos os filmes se prejudicaram pelo excesso de passagens que poderiam ser excluídas na pós-produção, chegando a mesma conclusão que a sua, de que tudo estava se tornando uma enorme enrolação. Mas fiquei surpreso com este “A Ordem da Fênix”. Talvez por perceber a importância do personagem aos fãs que estavam na mesma sala que a minha na estréia, ajudou a manter uma eficaz sensação de arrepio nas sequências mais obscuros. Ainda bem que David Yates ganhará novamente o poder de diretor na próxima sequência.

Kamila said...

Romeika, eu não leio os livros do Harry Potter, então acho que o confronto Harry e Voldemort só deve acontecer mesmo no último livro, que será lançado neste ano. Os filmes são bom entretenimento, mas eu confesso que estou de saco cheio com tanta enrolação.

Alex, já tive oportunidade de assistir a um dos filmes do Harry Potter numa sala lotada de fãs e minha opinião sobre a história dos livros/filmes não mudou. Tendo em vista a reação da maioria da imprensa, que afirmou que "A Ordem da Fênix" era o melhor filme da série, fiquei totalmente decepcionada com esse filme. Eu espero que David Yates faça um melhor trabalho no próximo filme da série.

Romulo Silva said...

Olá, meu nome é Rômulo e eu também tenho um blog de filmes (recente, diga-se...). Através de outros blogs cheguei ao seu ^^


Comentando o filme: eu sou um fã de Harry Potter, li os livros e me acostumei a esperar um filme melhor que o outro, em algum aspecto, pelo menos. E digo com certeza: esse quinto foi uma perda de tempo, dinheiro e expectativa.

Sim, os outros filmes foram preparação para o confronto entre Harry e Voldemort (que só aocntecerá no último capítulo), no entanto havia - principalmente n'O prisioneiro de Azkaban e, mais ainda, n'O cálice de fogo - uma história mínima e não uma simples filmagem de passagens do livro.

Kamila said...

Oi, Rômulo.

Obrigada pela visita e pelo comentário.

Eu acho que "O Prisioneiro de Azkaban" continua a ser o melhor filme da série do bruxo juvenil. O filme é muito bom ao marcar justamente a fase de transição entre um mundo inocente infantil para um mundo mais sombrio e os conflitos típicos da adolescência.

Os dois filmes seguintes são variações da trama de "Azkaban". O que eu questiono é justamente a repetição das tramas e o por quê de não se ir logo ao que interessa...

Alex Gonçalves said...

Creio que "A Ordem da Fênix" ficou prejudicado pelo ritmo devagar dos filmes anteriores que, por exceção de "O Prisioneiro de Azkabam", ocorria poucas novidades. Por não ser fã da franquia, não me decepcionei com este quinto exemplar. Há, e adorei a pequena presença de Helena Bonham Carter. Espera-se que a personagem da atriz ganhe mais destaque no próximo e penúltimo capítulo.

Felipe Nobrega said...

Puxa, esta é uma cinesérie que nunca tive vontade de assistir, sei lá... mas não curto mesmo.
abraços!

Kamila said...

Alex, a Helena Bonham Carter foi uma boa surpresa. Será que a personagem dela tem mais destaque em tramas futuras?

Felipe, muita gente não gosta de "Harry Potter"... Confesso que tentei ver com bons olhos a série, mas depois de tanta enrolação, eu enchi o saco mesmo. :-)

Otavio Almeida said...

Muito bom, Kamila!

"Que coisa simples, né? Mas, será que a gente não podia pular tudo isto e ir logo ao que interessa?"

Na verdade, sempre torci o nariz para HARRY POTTER acontecer em SETE livros! SETE! Pq não três? Sempre é uma trilogia... É muita coisa...

Bjs!

Kamila said...

Otávio, eu nunca me liguei no detalhe de que eram sete livros da série. Mas, depois de tanta enrolação, não seria nada mal que a JK Rowling tivesse feito uma trilogiazinha básica.

Marcus Vinícius said...

Esse aí vou ver sem pressa, ainda mais que não conheço nada no universo do HP.

Beijos

Johnny Strangelove said...

vou ser sincero ... se me virem assistindo Harry Potter ... podem ter certeza que estou sendo torturado. nunca vi graça nesse bruxo e tão pouco nos filmes dele... o meu maior medo é do fanatismo por ele criado pelos mais jovens tome rumos inconsequentes ...

Wanderley Teixeira said...

Exatamente isso Kamila!O q mais me irrita na série é a enorme barriga(ou enrolação) q Rowling faz até chegar a sua mensagem final.Afinal são precisos 7 anos em Hogwarts para q a série chegue a uma conclusão sobre e essência do conflito PotterXVoldemort.

Kamila said...

João, eu acho que - por mais que o fanatismo em torno dos livros seja exagerado - os livros da série "Harry Potter", pelo menos, fazem com que esses jovens entre em contato com a Literatura.

Wanderley, é muita enrolação mesmo. Só agora que eu entendi tudo. Cada livro é só uma etapa para se chegar a esse inevitável confronto.

Marfil said...

Achei esse Harry Potter um dos mais fracos desde a Era Columbus. Muito condensado, vários erros de continuidade. Me decepcionei com esse diretor, embora reconheça que seja um ótimo diretor de atores

Túlio Moreira said...

Puxa, Kamila, eu gostei demais desse filme! É o melhor depois do episódio do Cuarón.

Bem, não leio os livros da série, mas como cinema me agradou bastante. As sequencias de ação lembravam lutas de sabre-de-luz de Star Wars, mas realmente o que mais me agradou foi o falso maniqueismo de HP: aparentemente, a história tinha "bons" e "maus" bem definidos, e agora isso acaba mudando um pouco, com Harry xingando e o flash back de Snape... Muito interessante!

Beijão e ótimo fds!

Kamila said...

Concordo plenamente, marfil.

Túlio, vou discordar de você. Acho que o Marfil resumiu bem este filme. É o pior desde os dois primeiros filmes dirigidos por Chris Columbus.

Beijo e bom final de semana!

Museu do Cinema said...

Ola Kamila, de volta das férias, obrigado pela mensagem.

Confesso que não gosto do Harry Potter, vi o primeiro no cinema e não me empolguei com a série, mas reconheço que ela é muito bem explorada e produzida.

Kamila said...

Cassiano, que bom que está de volta.

"Harry Potter" só começou a me empolgar a partir do terceiro filme da série. O quarto foi uma ótima continuação e este quinto filme é um retrocesso. Uma decepção. Como disse no comentário anterior, espero que, no próximo filme, o diretor David Yates mostre a que veio.

Vinícius P. said...

Acabei de ver o filme e estou completamente decepcionado! Ainda que tenha algumas características positivas, acho que é o mais fraco da série. Até que o diretor Yates se esforça para esconder o roteiro cheio de falhas, mas espero que apresente muito mais no próximo capítulo. Destaque pra Imelda Staunton.

Minha nota é 6,5 - ainda estou sendo generoso ;-)

Kamila said...

Você foi generoso demais, Vinícius! Deu uma nota maior que a minha para o filme! rsrsrsrsrsrsrs

Wally said...

Não sei explicar de forma coerente (se quiser saber leia minha resenha, rsrs), mas eu amei esse filme. De verdade! Para mim, só perde mesmo para Prisioneiro de Azkaban. É, até agora, o filme que mais me emocionou e o que me fez mais vibrar. Entretenimento de primeira classe.

Nota 9,0

Dyego said...

Concordei com seu comentário Kamila. Mais também esse foi o livro que menos gostei da série. Este foi o primeiro livro escrito depois que Harry Potter chegou teve sua primeira adaptação ao cinema. Falam que isso repercutiu negativamente no que a autora passou a escrever. O que vc acha?
Beijos