Monday, July 23, 2007

Transformers (2007)

Uma coisa que o cinema e a literatura sempre fizeram questão de deixar claro é que, por mais que o homem tente se distanciar – e, por conseqüência, se diferenciar – dos robôs, as duas espécies têm muito mais semelhanças do que queremos admitir. Nesse sentido, a trama de “Transformers”, do diretor Michael Bay, que foi escrita pela dupla Roberto Orci e Alex Kurtzman (ex-roteiristas do seriado “Alias” e que trabalharam com Bay no filme “A Ilha”), delineia de uma maneira bem rápida e explicativa os conflitos vividos por dois grupos de robôs: os Autobots (mocinhos) e os Decepticons (vilões), que, uma vez, habitaram o mesmo planeta (que se chamava Cybertron), mas, devido à ganância e a ambição, começaram a brigar, pois os Decepticons querem o domínio do universo.

Este conflito poderia ocorrer muito bem no planeta terra, entre os homens. A luta entre Autobots e Decepticons não é a única a ser retratada em “Transformers”. Através de duas linhas narrativas distintas, Alex Kurtzman e Roberto Orci retratam os lados opostos deste mesmo conflito. De um lado, soldados norte-americanos – interpretados por Josh Duhamel (da série “Las Vegas”), pelo cantor Tyrese Gibson, Amaury Nolasco (do seriado “Prison Break”) e Zack Ward –, que encontram inimigos cujas forças são imbatíveis pela atual tecnologia bélica. De outro lado, o jovem Sam Witwicky (Shia LaBeouf), cuja maior aspiração, no momento, é comprar um carro, que, talvez, faça com que ele chame a atenção da garota mais bela da escola, Mikaela (Megan Fox). Sam, ao contrário dos soldados, enxerga o seu carro – um Camaro amarelo que se transforma em robô – como um ser que tem coração, que tem medo e que merece ser protegido também.

Baseado num popular desenho animado que estreou nos anos 1980, “Transformers” é o exemplo perfeito daquilo que chamamos de cinema-pipoca, ou seja, um filme que é feito sob medida para divertir a platéia. O filme é um pacote cheio para anunciantes e, claro, para o estúdio que o produz. Carros-robôs-bonzinhos fantasiados de automóveis comuns, como um carro de bombeiros e um caminhão. Carros-robôs-mauzinhos fantasiados de automóveis que deveriam nos trazer confiança, como carros de polícia, tanques e helicópteros do Exército. Explosões. Correria. Barulho. Adrenalina pura.

Um prato cheio para o diretor Michael Bay, que não tem vergonha de ser um dos maiores embaixadores do filme-pipoca. E por quê se envergonhar, já que, em “Transformers”, ele dá uma aula de como fazer um filme-pipoca, inclusive ao ter sensibilidade para perceber que a sub-trama que funciona mais é a que coloca o jovem Sam com o seu primeiro carro. São o humor e o carisma de Shia LaBeouf que fazem de “Transformers” um filme, para utilizar uma palavra típica de jovens como Sam, SUPER.

Cotação: 6,5

Crédito Foto: Yahoo! Movies

31 comments:

Johnny Strangelove said...

pense ... já assisti esse filme umas três vezes e gostei muito
é um daqueles filmes que faz o espectador vibrar na cadeira ...
um verdadeiro filme povão ... melhor do que esses filmes de ferias que sairam ....
beijos

Kamila said...

Isso, João. Concordo plenamente com seu comentário.

Wanderley Teixeira said...

Ah,eu naum concordo com isso naum Kamila e João...Achei Transformers bem cansativo,diria q até chato no exagero das cenas de ação.Elas ocupam quase q o filme todo!Isso q naum gosto no Michael Bay,o cara pensa q para fazer filme pipoca é preciso somente explosões e efeitos especiais.Para mim o filme foi isso e naum acho o suficiente.Dessas férias fico com Ratatouille,infelizmente pouco apreciado esse sim sabe ser um filme pipoca dosando todos os elementos necessários.
Ah!Valeu pelos toques do video Kamila!Funcionaram!rsrsrsrsrs

Johnny Strangelove said...

Transformerssssssss
More Than Meet The Eyeeeeee
Transformersssssssss
Robots In Disguiseeeee

ehehehehe
é muito viciante
eeheheheh

e baixe a trilha ... é show de bola, tirando aquela merda do Linkin Park
abraços

Museu do Cinema said...

Tb acho que filmes pipoca devam existir Kamila, mas tenho uma pequena impressão que eles andam exagerando na dose.

Wally said...

To visitando aqui pela primeira vez e gostei :)

Também não achei Transformers grande coisa, apesar de ter achado um entretenimento sensacional. Como vc disse no blog do Vini, é cinema de barulho e diversão e Bay cumpre isso bem. Porém, achei que ele deveria ter se aprofundado mais na mitologia dos Transformers e sua conexão com o mundo. Parecia que o mundo tava sendo abalado somente naquele local. E o resto? Como ficou os outros planetas? Outros seres vivos foram afetados, que desconhecemos? Bem, acho que nas mãos de Spielberg teria se tornado um filmão de verdade, entretenimento com inteligência. Pipoca com manteiga.

Mesmo assim, me diverti bem mais do que eu esperava e amei o visual impressionante.

Nota 7,5

Vinícius P. said...

Não gostei tanto, mas não achei cansativo. Como disse lá no blog, fiquei um pouco confuso em meio a tanta ação, mas "Transformers" é competente dentro daquilo que propõe, ou seja, consegui me divertir apesar de tudo. Destaque óbvio para o Shia. Minha nota é 5,5.

Abraço!

Luciano Lima said...

Posso não ter gostado tanto de Transformers, mas, Kamila, Adorei o seu texto! O terceiro parágrafo ficou muito bom. Concordo que Bay consegue fazer filmes pipoca divertidos, mas até mesmo eles (os filmes) precisam e novos ares para não cair na mesmice... é o que ocorre. Gostei muito dos efeitos!!!

Gustavo said...

O melhor do filme é toda a trama do personagem do LaBeouf, ator do qual virei fã após ver esse filme. Lembra muito aqueles filmes produzidos pelo spielberg nos anos 80.

Bay tem que controlar melhor seus excessos, porém, acredito que Transformers tenha sido um grande passo na carreira do diretor.

Bom entretenimento.

Marfil said...

Tem gosto de infância, mas preferia algo menos, digamos, frenético. Minha labirintite agradece...

Otavio Almeida said...

Eu gostei, Kamila! Vc sabe! Vc acha que foi o melhor filme-pipoca do verão americano?

Bjs!

Kamila said...

Wanderley, eu não achei as cenas de ação exageradas. Elas estão do jeitinho certo. E são sensacionais, especialmente o combate final entre Optimus Prime e Megatron.

João, vou dispensar a trilha de "Transformers". Muito barulho para o meu ouvido sensível. rsrsrsrssrsrsrsrrs

Cassiano, nesta época de férias, existe mesmo um exagero nos filmes-pipoca. E, a cada ano, eles vão ficando cada vez maiores e fazendo coisas realmente inimagináveis. Eu acho que a existência deles é justificada. Só não gosto quando o cinema se resume a filmes como este.

Wally, obrigada pela visita e pelo comentário. O filme tem, sim, problemas de roteiro, mas, num filme-pipoca isso é o que pouco importa. No que ele tem de relevante mesmo: as cenas de ação, o papel é mais do que bem cumprido.

Vinícius e Gustavo, é incrível como todo mundo é unânime em dizer que o Shia é o destaque desse filme. E concordo com o que você disse, Gustavo, "Transformers" é um grande passo na carreira do Bay, até mesmo no sentido de ele se livrar da influência do Jerry Bruckeheimer em seus filmes.

Luciano, concordo plenamente com o que você disse.

Marfil, o filme tem ritmo frenético mesmo, mas eu esperava justamente isso dele.

Otávio, o filme do verão norte-americano para mim foi - surpresa, surpresa - "Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado". Foi o que eu mais gostei mesmo.

Museu do Cinema said...

Com certeza Kamila, não sou daqueles chatos que não curtem esse tipo de filme, mas sou do tempo em que filmes pipoca eram do quilate de ET.

Kamila said...

Eu sei que você não é chato, Cassiano, e entendo perfeitamente sua nostalgia.

Otavio Almeida said...

Mas Cassiano, aí tb é covardia! TRANSFORMERS se ajoelha diante de E.T.

E és velho como eu??

Gustavo said...

Cassiano tem que enteder que os tempos mudaram e que os executivos estão muito mais interessados em dinheiro do que em qualidade.

Transformers tem duas linhas narrativas muito diferentes em qualidade e em que se nota perfeitamente o que pode se tornar a carreira de Bay:

A primeira, ótima, com Shia, Megan Fox e Bumblebee. Divertida, ágil, é praticamente um filme produzido pelo Spielberg nos anos 80

A segunda: todo aquele blábláblá dos soldados americanos. O sargento que quer ver a filha, um subornidado engraçadinho, outro fortão... basicamente Bay repete aqui todos os maneirismos possiveis de sua fase Bruckeheimer; camera lenta, musica grandiosa...

Resta saber qual desses dois caminhas Bay decidirá seguir.

Museu do Cinema said...

Sim Otávio é covardia, mas podia ser menos covardia, se é que me fiz ser entendido.

Gustavo, eu discordo, acho que antigamente como hoje, o faro da grana continua o mesmo entre os executivos, o problema é a criatividade.

Johnny Strangelove said...

Kamilla ... pelo menos a musica romantica vai ser o proximo hit dos namorados ... anote o que estou dizendo ...


e espero que pelo menos Bay continue com esse estilo...
abraços

Kamila said...

João, qual música romântica que nem eu me lembro mais????

Johnny Strangelove said...

é de Goo Goo Dolls e se chama Before It's Too Late (combina com o que acontece com o filme) é melosa até dizer chega ... porém funciona para esse tipo de filme
beijos

Rodrigo Azevedo said...

Ah, eu estou com uma má vontade enorme com esse filme. Mas devo assisti-lo no final de semana. Michael Bay me dá arrepios.

Também não vi Harry Potter. Mas assisti Ratatouille, que me decepcionou um pouco...

Kamila said...

João, vou procurar para ver se encontro a música.

Rodrigo, Michael Bay dá arrepios em muita gente, mas "Transformers" é um filme muito divertido. Eu acho que, se você não tiver uma opção melhor, deve assistir ao filme.

Romeika said...

Nada, mais mesmo nada me atraiu pra ver esse filme, das inúmeras vezes que eu vi o trailer no cinema. Não que eu tenha preconceitos com o diretor (vi dois filmes dele no cinema, um que me deixou de ouvido doído com tanta explosão de bomba em meio a terríveis performances masculinas, e outro que só me atraiu pelo par de protagonistas).

Eu adoro cinema pipoca, e vc sabe disso, mas hj em dia costumo filtrar os ingressos que eu compro, e esse não me impulsionou em nada. E eu acho que sou a única que nunca ouviu falar no desenho animado:-S Enfim, cinema é diversão, mas ultimamente venho procurando cinema por várias razões e a diversão fica em último quesito. Mas eu não deixei de ser escapista! Não me entenda mal;-)

Rodrigo Azevedo said...

Antes eu tentarei Harry Potter. Uma das estréias da proxima Sexta eu já assisti, entao, nao me sobram muitas opções.

Marcus Vinícius said...

Preciso ir logo assistí-lo. Na pior das hipóteses, pelo jeito, me divirto um pouco. =D

Beijos.

Kamila said...

Romeika, eu sei bem o que você quer dizer. Fica tranquila. Bom, eu nem paguei para assistir "Transformers", o que foi um bônus! :-)

As estréias da próxima semana aqui em Natal já saíram, Rodrigo, e são péssimas. Juro que quase tive um treco ao vê-las. Acho que vou passar o cinema neste final de semana, e alugar uns filmes que é o melhor que eu faço mesmo.

Marcus, você entrou no espírito das coisas.. :-)

Beijo.

Romeika said...

Ah, como diz o ditado, "de graça tudo, menos injeção na testa" ;-p Ah, ficou massa o novo visual do blog, Kamila. E bem que vc podia, de vez em quando, dar uma dica de um bom livro que vc leu, um artista novo que ouviu... Fazer um review curto deles. Vc lê muito, não? E fora a sua formação em jornalismo cultural. Fica aqui a dica. ^^

Kamila said...

Obrigada pela dica, Romeika. :-) Fiquei brincando aqui no blogspot e fui modificando as coisas até mesmo para deixar o blog com cara diferente. Vou ver se faço uns textos sobre esses livros e artistas que vou escutando.

Bom final de semana!

Peixe said...

Nao to comentando, mas to passando por aqui direto viu?! E, claro, acatando as suas sugestões de bons filmes, indo assistir no cinema e colocando pra baixar da net os ruins, com notas abaixo de 7. Heehhehe...

Bjs Kamila!

Marcus Vinícius said...

Conferi ontem. Nossa, eu nunca vi/ouvi tantas explosões como nesse filme, além de que os robôs pareciam reais mesmo. Para os efeitos temos que tirar o chapéu, realmente. Bah... não é que eu me diverti mesmo, hehehe. Essa semana eu também escrevo algo sobre ele.

Beijos e ótimo sábado!

Kamila said...

Felipe, deixa de ser preguiçoso. Deveria assistir até os filmes ruins no cinema!!!!! rsrsrsrsrsrsrsrrsrsrsrs

Beijos e bom final de semana!

Marcus, fazia tempo que eu não assistia a um filme tão barulhento e explosivo como esse. Mas, a diversão é boa.

Beijos e bom final de semana!