Saturday, August 18, 2007

Luzes do Além (White Noise 2 - The Light, 2007)

O suspense “Vozes do Além”, do diretor Geoffrey Sax, estreou nos cinemas em 2005 atingindo um relativo sucesso – e uma arrecadação geral de 55 milhões de dólares na bilheteria – ao contar uma história bem interessante: um viúvo chamado Jonathan Rivers (Michael Keaton) recebe mensagens da esposa falecida via EVP (Electronic Voice Phenomenom). As mensagens têm como objetivo alertar Jonathan sobre o perigo que outras pessoas estão passando de ter o mesmo destino trágico que ela. Ou seja, Jonathan tenta salvar a vida dessas pessoas.

A continuação “Luzes do Além”, do diretor Patrick Lussier (um habitual colaborador do diretor Wes Craven, um mestre do gênero de terror), utiliza essa mesma história, sendo que, no lugar do EVP temos as experiências de quase-morte, quando as pessoas são atraídas pela força de uma luz branca brilhante antes de serem ressuscitadas. No filme, Abe Dale (Nathan Fillion) é a versão de Jonathan Rivers. Ele tinha um casamento feliz com a esposa Rebecca (Kendall Cross), um ótimo relacionamento com o filho Danny (Joshua Ballard), até que os dois são assassinados por Henry Caine (Craig Fairbass).

Em seguida à morte de sua família, Abe chega à conclusão de que não vale a pena mais viver e tenta cometer suicídio, mas é salvo pela equipe médica. Ao viver uma experiência de quase-morte, ele passa a ter uma sensibilidade para enxergar quais as pessoas que estão próximas de sua morte. Talvez ao querer prevenir que outras pessoas passem pelo mesmo sofrimento que ele, Abe começa a evitar que suas premonições se tornem realidade – e é a partir desse momento que “Luzes do Além” começa a dialogar com “Premonição”, quando Abe percebe que nunca podemos enganar a morte. Mesmo que ele salve uma pessoa aqui, ele estará só adiando o inevitável destino que ela terá.

“Vozes do Além” mesmo tendo uma premissa interessante, era um filme completamente perdido dentro da própria trama criada pelo roteirista Niall Johnson. “Luzes do Além”, pelo contrário, tem uma trama que vai se desenvolvendo muito bem até chegarmos aos 10 minutos finais de filme, quando o último ciclo de salvações de Abe Dale termina. O diretor Patrick Lussier e o roteirista Matt Venne abusam um pouco do uso dos clichês e estragam o que poderia ser um filme bastante tenso e cheio de passagens realmente assustadoras.

Cotação: 3,8

Crédito Foto: E-Pipoca

13 comments:

Alex Gonçalves said...

Kamila, sabe o que há de mais engraçado comigo no filme “Vozes do Além”? Foi que comecei a notar o talento de Deborah Kara Unger. O filme é uma tremenda bomba, mas graças a ele que comecei a correr atrás dos outros filmes da Deborah, tornando-se uma das minhas atrizes preferidas. Como já aguardo a inevitável decepção, verei “Luzes do Além” somente no seu lançamento em vídeo. Patrick Lussier esteve envolvido em muitos projetos interessantes do gênero, e tem até mesmo algum talento, mas creio que ele precisa amadurecer muito para ser um bom cineasta.
Excelente semana.

Kamila said...

Quando eu vi o currículo do Patrick Lussier no IMDB, fiquei impressionada, porque ele está envolvido em todos os grandes filmes de sucesso do gênero de terror dos últimos anos.

"Luzes do Além" é melhor do que "Vozes do Além". O único problema nele é a sequência final.

Obrigada e boa semana!

Museu do Cinema said...

Não sou fã desses tipos de filmes, apesar de gostar do primeiro Preminição.

Wally said...

Bem, eu achei o filme todo uma merda. Pior que Vozes do Além. Muito iverossimil, sem nexo, falhado, cheio de buracos, mal desenvolvido, péssimas atuações, dramaticidade nula. Uma merda até no visual.

Vozes: 3,5
Luzes: 2,0

Kamila said...

Cassiano, eu também não sou a maior fã desse tipo de filme.

Wally, eu odeio "Vozes do Além" e comecei a assistir "Luzes do Além" esperando que o filme fosse um desastre. E não foi esse desastre todo. Eu acho que o roteiro tem alguns furos, mas o grande trunfo desse filme é que faz com que a gente fique atento à sua história. O visual do filme é uma droga mesmo. Parece telefilme de quinta categoria.

Alex Gonçalves said...

Comparadas as sinopses, "Vozes do Além" acaba sendo mais interessante por tocar num tema até então ousado e original, que é o fenômeno de voz eletrônica. Já o de "Luzes do Além", como bem você comparou, parece abordar o mesmo tema de "Premonição" de maneira distinta. E sequências finais são mesmo um grande problema, sendo capaz de acabar com toda a diversão.
Vi que conferiu "Fora de Rumo" - gostou? Achei o pior filme do ano passado lançado nos cinemas juntamente com "Firewall - Segurança em Risco".

Otavio Almeida said...

Acho que vou deixar para o DVD, Kamila!

Ninguém recomendou esse filme...

Bjs! E boa semana!

Bombaata said...

O Vozes do Alem me surpreendeu quando vi. Tanto que o vi por que me emprestataram e gostei do filme, embora jamais me atreveria a pegar qualquer outra coisa do genero em locadoras - esses temas sao sempre apelativos. Agora fiquei curioso com vc dizendo que Luzes é melhor.. vou tentar conferir quando chegar as locadoras.
E Fora de Rumo, oque achasse?

Kamila said...

Alex e Bombaata, gostei de "Fora do Rumo". Nunca que eu esperava aquela reviravolta final. Fiquei realmente surpreendida e o filme, em si, é muito interessante.

Otávio, nem assista ao filme no DVD. :-)

Bombaata, eu não gosto de filmes de terror e assisti a este filme mesmo por curiosidade.

Marcus Vinícius said...

Eu me decepcionei com o primeiro, como todo mundo. Li a sinopse e poxa, a idéia é muito massa, essa coisa de fenômenos e tal. Mas foi só começar a assistir... e depois vem aquelas coisa tosca de fantasma voando. Esse aí nem vou conferir, ou esperar no dvd também.

Beijão e tenha uma ótima semana! =]

Kamila said...

Marcus, eu também não gosto do primeiro filme, que se perde muito na sua própria trama. Mas, o segundo, como eu disse, me surpreendeu. Eu pensava que fosse ser uma coisa terrível e não foi nada disso.

Beijos e boa semana para você também.

Vinícius P. said...

Puxa, Kamila, que coragem em ver esse filme, hein? Mesmo que todos tenham achado péssimo, verei em breve para saber se é tão ruim quanto o primeiro.

Kamila said...

Vinícius, eu só assisti ao filme porque eu não tinha nada melhor a fazer no dia. rsrsrsrsrsrsrs