Sunday, September 09, 2007

Licença Para Casar (License to Wed, 2007)

Em “Entrando Numa Fria”, comédia dirigida por Jay Roach, Ben Stiller interpreta um cara que, depois de encontrar a mulher de seus sonhos e pedi-la em casamento, vai passar pelo grande teste antes da cerimônia: conhecer os pais de sua noiva. Na realidade, esta se revelará uma situação particularmente difícil para o personagem de Stiller, que vai passar pelo pão que o diabo amassou nas mãos de seu sogro (Robert de Niro). No entanto, o filme tem uma moral até interessante: se o personagem de Stiller pode sobreviver ao sogro, não há nada que possa impedi-lo de ser feliz ao lado de sua noiva.

A comédia “Licença Para Casar”, do diretor Ken Kwapis, tem uma história bastante parecida com a de “Entrando Numa Fria”. Benjamin Murphy (John Krasinski, do seriado “The Office”) conhece Sadie Jones (Mandy Moore). Os dois se apaixonam, vão morar juntos e marcam a data do seu casamento. Sadie tem um sonho desde pequena: se casar na Igreja construída pelo seu avô e cujo reverendo, o Padre Frank (Robin Williams), é um homem que a conhece desde pequena. Frank aceita a tarefa de abençoar a união do casal com prazer, mas coloca uma condição para a cerimônia se realizar: os dois têm que passar em um curso de noivos desenvolvido por ele.

O curso tem um objetivo bastante interessante e coloca Ben e Sadie em situações do dia-a-dia, mas antecipando os acontecimentos que os dois enfrentarão como marido e mulher, como discussões por coisas bobas, a decisão do momento de ter o primeiro filho e como o nascimento de uma criança irá afetar a vida dele a dois, a construção da confiança mútua e, principalmente, o estabelecimento de uma união forte e sólida, que dure para sempre. O que Ben, principalmente, questiona é a metodologia do curso de noivos de Frank, que coloca o casal em situações que testam os seus limites e, na pior das hipóteses, mais causa o afastamento do que a aproximação.

O trabalho desenvolvido por Ken Kwapis – um diretor cujo maior sucesso no cinema foi o filme juvenil “Quatro Amigas e um Jeans Viajante”, e é mais conhecido como o homem por trás de muitos episódios excelentes do seriado “The Office” (pelo qual está indicado ao Emmy 2007 de Melhor Direção em um Episódio de Comédia) – em “Licença Para Casar” é bom, tendo em vista que o filme é muito engraçado e se destaca positivamente na safra dos filmes de comédia de 2007. No entanto, fica a sensação de que o diretor poderia ter ousado mais, especialmente na escolha de seu par central. John Krasinski interpreta uma versão de Jim Halpert, seu personagem no seriado “The Office”. Já Mandy Moore interpreta, mais uma vez, a mocinha organizada, mas que acredita piamente no amor. Mesmo assim, os méritos vão todos para Kwapis na escalação de Robin Williams, como o Pastor Frank, e da revelação Josh Flitter (que interpreta um Pastor mirim, que tem Frank como mentor). É essa dupla inusitada que faz “Licença Para Casar” valer a pena.

Cotação: 8,0

9 comments:

Alex Gonçalves said...

Boa Tarde, Kamila.
Como notou, consegui navegar pela janela de comentários. Mesmo que eu tenha adorado o trabalho do cineasta Ken Kwapis em “Quatro Amigas e um Jeans Viajante”, não consigo encontrar alguma novidade em todo o material de divulgação de seu novo filme, “Licença Para Casar”. Como você afirma, Robin Willians deve valer a sessão (como sempre valeu), mas deixarei mesmo para assistir no conforto do lar.

Kamila said...

Faz muito certo, Alex. Até porque este tipo de filme funciona nos dois modos. :-)

Beijos e boa semana!

Alex Gonçalves said...

Ok, então farei isto.
Até a próxima, Kamila. Excelente semana.

Ramon Scheidemantel said...

O Robin Williams deve estar roubando as cenas, então!
Imagino que deve ser um filme engraçado, realmente.
Como sua nota foi boa, com certeza assistirei!

Kamila said...

Ramon, o Robin é o melhor desse filme. Ele dá show.

Vinícius P. said...

Bem, eu odiei esse filme (pra mim um dos 10 piores do ano), realmente não vi graça alguma - no começo até que há algumas piadas divertidas, mas depois de 20 minutos fiquei sem reação alguma durante toda a sessão. Gosto do Krasinski e até da Moore, mas não suporto o Williams. Também não entendi muito bem o final (em relação ao padre, pois achei a "moral" da trama muito fraca). Achei tocante a cena do reencontro e é por ela que dei nota 2,0 ao filme - se não seria um 0,5.

Contudo, entendo que você tenha gostado do filme, você explicou muito bem na sua crítica e tem argumentos suficientes.

Ah, bem que desconfiei que tinha alguém de "The Office" envolvido com a produção do filme, afinal quase metade do elenco participa...

Kamila said...

Vinícius, eu já levei alguns puxões de orelha porque disse que adorei esse filme. :-)

Mas, a razão principal para que eu tenha adorado "Licença Para Casar" foi o fato de que todo mundo ali nem levou o roteiro a sério. E a gente ri demais disso, porque eles estavam mesmo se divertindo.

Acho que o filme também tem esse negócio de "se a gente supera isso, pode vencer tudo". Por isso, acho o final até interessante e condizente com essa "moral".

A cena do reencontro do casal é linda mesmo. Uma das melhores de filmes de comédia romântica.

E o Ken Kwapis realmente chamou uma galera boa de "The Office" para participar do filme.

Beijos.

Wally said...

Kamila, você aumentou minhas expectátivas em relação à esse filme, para mim, Williams já morreu como comediante. Seu dois últimos exemplares (Férias no Trailer e Candidato Aloprado) foram muito regulares e sem graça. Ele deveria ficar no gênero de Segredos Na Noite.

Mesmo assim, quero ver o filme, mais pelo Kracinsky (nem sei se escreve assim mesmo :) )

Enfim, grande abraço e sim, também fiquei surpresa por 3:10 to Yuma ter ficado no topo, apesar do pouco rendimento...

Kamila said...

Wally, eu gostei muito do Williams neste filme. E adoro o Krasinski. Ele fez um par até bonitinho com a Mandy Moore.