Wednesday, November 21, 2007

Os Donos da Noite (We Own the Night, 2007)

No início de “Os Donos da Noite”, filme do diretor e roteirista James Gray, vemos uma série de imagens da polícia de Nova York em atividade. Um close no emblema do uniforme dos policiais nos mostra a frase “We Own the Night” (o título original do filme e que, numa tradução quase literal, dá o nome que a película recebeu em português). Aos poucos, Gray nos mostra que, no final da década de 80, em Nova York, a polícia não é a única que domina a noite e está cada vez mais difícil para os policiais exercerem seu trabalho – para se ter uma idéia, a taxa de assassinatos de membros da força vem aumentando consideravelmente.

Nesta conjuntura e, especialmente, na realidade em que está inserido, o gerente da boate El Caribe, Bobby Green (Joaquin Phoenix, ótimo), é obrigado a esconder sua verdadeira origem. Acontece que o nome de família de Green é Grusinsky; e seu pai Albert (Robert Duvall) e seu irmão Joseph (Mark Wahlberg) ocupam lugares de destaque dentro da corporação. Após um tempo afastado do convívio familiar, Bobby é chamado por Joseph, que acaba de assumir uma investigação sobre tráfico de drogas cujo maior alvo é Vadim Nezhinski (Alex Veadov), o sobrinho do dono da boate na qual ele trabalha.

O elemento mais interessante do roteiro criado por James Gray é a discussão que ele faz sobre temas como lealdade, companheirismo, coragem e entrega – qualidades estas que são comuns aos membros da polícia e as quais Bobby terá que encontrar em si mesmo. Neste sentido, “Os Donos da Noite” começa a ter um quê de “Os Infiltrados” (Bobby passa a ser informante da polícia) e de “O Poderoso Chefão” (a partir do momento em que adota este caminho, Bobby percebe que, mesmo tentando fugir de sua família, sua verdadeira identidade estava mais próximo dela do que ele imaginava).

Em “Os Donos da Noite”, o diretor e roteirista James Gray recupera um estilo que ele mesmo mostrou em seu trabalho anterior, “Caminho Sem Volta” (também protagonizado por Mark Wahlberg e Joaquin Phoenix). Através do mergulho no ambiente familiar, Gray toca num ponto fundamental: o de homens que se vêem envolvidos até o pescoço em situações difíceis e a única maneira de conseguir tocar o barco para frente é resolvendo todos os problemas – não importa o custo que eles tenham. Este estilo de Gray é bem diferente. Seus filmes têm um ritmo próprio, e, no caso deste "Os Donos da Noite", os elementos vistos em tela recuperam características que são muito próximas dos filmes policiais clássicos produzidos nos anos 70.

Cotação: 8,5

Os Donos da Noite (We Own the Night, EUA, 2007)
Diretor(es): James Gray
Roteirista(s): James Gray
Elenco: Joaquin Phoenix, Mark Wahlberg, Robert Duvall, Eva Mendes, Tony Musante, Edward Conlon, Antoni Corone, Alex Veadov, Katie Condidorio, Burton Perez, Douglas J. Aguirre, Ashley Avis, Kristy Redford, Fred Burrell, Karl Bury

14 comments:

Museu do Cinema said...

É perdi de ver esse filme, é o 56 elogio que leio a respeito...

Acho que devo assistir ainda essa semana.

O Joaquim foi muito elogiado por um crítico que respeito bastante o Merten do Estadão, para ele o Phoenix e a Marion são os favoritos "dele" para o Oscar.

Ela já é a minha, mas se os gostos realmente se combinam, o Joaquim será tb, lembro dele em Gladiador, e ele estava estupendo. Em Johnny e June tb, e olha que estava representando um gênio para mim.

Gosto dessa coisa do clima dos anos 80, quando a máfia realmente mandava em NY. E acho, que pela frase Nós possuimos a noite, era bem uma indireta aos mafiosos.

Kamila said...

Cassiano, não perca de assistir a este filme, porque ele é ótimo. Gosto muito do Joaquin Phoenix, um ator de personagens, e que sempre mergulha muito nos seus papéis.

Gostei dessa sua interpretação dos anos 80, em Nova York, a Máfia e a frase do emblema do uniforme da polícia.

Museu do Cinema said...

E então Kamila, como estão os "burburinhos" dos jornalistas que indicam ao Oscar, sobre a performance do Phoenix?

Otavio Almeida said...

É, Kamila. Como estão os burburinhos sobre Joaquin Phoenix, esse monstro?

OS DONOS DA NOITE é um filmaço. Ainda não escrevi a crítica, mas achei um dos melhores filmes do ano. Ainda não escrevi pq não assisti CAMINHO SEM VOLTA, nem FUGA PARA ODESSA, mas adorei o trabalho do James Gray.

E, Kamila... é impressão minha ou até a Eva Mendes está bem nesse filme? E ótima crítica. Parabéns!

Bjs!

Vinícius P. said...

Tenho certo interesse nessa produção somente porque considero "Fuga Para Odessa" como um dos melhores filmes da década passada (apesar de não gostar tanto do "Caminho Sem Volta"). Além do James Gray, o elenco também ajuda, mas verei sem expectativas.

Abraço!

Ramon Scheidemantel said...

Legal, estou ansioso para assistir. Obrigado por não ter feito nenhum spoiler. hehe!

Wally - Cine Vita said...

Gostei do filme Kamila, principalmente das atuações, do visual e de algumas cenas dirigidas maravilhosamente. Só achei que o foco do roteiro deveria ter ficado na relação dos dois irmãos, e muitas vezes tal foco se perde um pouco. Sinto como se o filme ficasse fortalecido mesmo quando investe nestas emoções. Algumas cenas ficaram perfeitas (vide a da perseguição) e achei que ao clímax perdeu um pouco o ritmo, mas o filme não deixa de entreter e satisfazer. É bom cinema.

Nota 7,5

E sim Otavio, Eva Mendes finalmente atua!

Bruno said...

Parece ser muito bom. Esse é um filme que quero assitir.
Abraços

Kamila said...

Cassiano e Otavio, assim como acontece com "Quebra de Confiança", este filme nem é citado pelos jornalistas que criam os Oscars buzz. Infelizmente.

Otavio, não é impressão só sua. A Eva Mendes tem a melhor performance de sua carreira neste "Os Donos da Noite". Não assisti ao primeiro filme do Gray, mas vi "Caminho sem Volta" e acho que, com seu novo filme, ele recupera os temas abordados nesse segundo filme. E, obrigada. :-)

Vinícius, acho bom você criar expectativas em relação à "Os Donos da Noite", porque o filme é maravilhoso.

Ramon, de nada. Não quero estragar a sessão daqueles que ainda não conferiram o filme.

Wally, a cena da perseguição é fantástica e lembra muito a de "Operação França". Aliás, muitos críticos compararam "Os Donos da Noite" com "Operação França". Eu achei que o foco no personagem do Phoenix foi mais do que correto, já que as maiores transformações se dão nele. Ele é que é o objeto maior de mudanças no filme.

Bruno, o filme é muito bom. Recomendo.

Beijos.

Museu do Cinema said...

Pois é Kamila, isso é que precisa mudar urgentemente no Oscar, esses jornalistas não entendem nada de cinema, interpretação e otras cositas más. Além de que, desconfio de que eles recebem gratificações de estúdios para isso.

Dewonny said...

Ainda ñ vi, mas com certeza irei assistir, gostei de "Caminhos Sem Volta", e esse parece ser bem melhor! Adorei seu comentário Kamila!

Kamila said...

Cassiano, não sei quanto às gratificações, mas concordo quanto ao resto do que você disse.

Diego, este filme é bem melhor que "Caminho sem Volta".

Johnny Strangelove said...

Filmão ... sem duvidas
um dos filmes que não dá para ver em casa e sim na telona
grandes atuações, cenas tensas dando destaque a perseguição na chuva faz com que esse filme seja um gênuino filme policial ...
abraços

Kamila said...

Concordo plenamente, João.

Beijos.