Thursday, February 07, 2008

15 Anos sem Audrey Hepburn

O dia 20 de Janeiro marcou o 15º aniversário de morte de Audrey Hepburn e esta é a singela homenagem que prestamos a ela.

Numa cena do clássico “Nasce uma Estrela”, do diretor George Cukor, Norman Maine (James Mason) olha para Esther Blodgett (Judy Garland) – nome artístico: Vicki Lester –, a mulher que ele transformou em uma movie star e, mais tarde, desposou e afirma que as verdadeiras estrelas possuem uma qualidade especial, um algo a mais que as diferenciam dos outros. Audrey Hepburn tinha esse algo mais. Não estamos falando de seu inegável talento e carisma, e sim da qualidade genuína que ela passava através de seus papéis. Com Audrey, o que se via na tela era a realidade. Hepburn tinha uma imagem de “girl next door”, ao contrário das estrelas de aparência inatingível; e, ao mesmo tempo, tinha toda uma aura de glamour, sofisticação e elegância que tanto lhe foram perfeitas para os tipos que interpretou em filmes como “Cinderela em Paris”, “Sabrina”, “A Princesa e o Plebeu” e “Bonequinha de Luxo”.

Muito se sabe a respeito do que Audrey Hepburn passou na Holanda, durante a II Guerra Mundial. Além de deixar marcas permanentes na atriz (a aparência frágil foi conseqüência da desnutrição e da depressão que ela vivenciou neste período), foi nesta adversidade que Audrey encontrou a sua verdadeira vocação. E ela seguiu a arte com louvor e dedicação, emocionando e inspirando a vida de tantas pessoas.

Poucas atrizes tiveram uma carreira tão diversa (com personagens em comédias românticas, westerns, musicais, dramas, filmes de época, entre outros gêneros). Poucas atrizes deixaram tantas imagens icônicas (a cena na Boca da Verdade em “A Princesa e o Plebeu”, a abertura de “Bonequinha de Luxo”, quando ela tenta falar o inglês correto em “Minha Bela Dama”, quando ela dança em um bar cheio de filósofos em “Cinderela em Paris”, quando ela canta “Moon River” em “Bonequinha de Luxo” ou quando ela abre aquele sorriso largo iluminando qualquer tipo de ambiente).

Audrey foi Ana, Jo, Holly, Eliza, Sabrina, Ariane, Susy, dentre tantas outras. Ela é um ícone fashion. Ela é uma das maiores estrelas de cinema de todos os tempos. Entretanto, com certeza, as imagens definitivas de Hepburn são a solidária mulher que retribuiu o que a UNICEF fez por ela no pós-II Guerra Mundial e passou a lutar diariamente por uma melhor qualidade de vida para as crianças africanas; e, principalmente, a mãe amorosa de seus tão sonhados filhos Sean Hepburn Ferrer e Luca Dotti. Foi por eles que Audrey deixou de lado uma vida que nem era tão atrativa assim para ela (afinal, a atriz nunca viveu em Hollywood, preferindo a tranqüilidade de sua propriedade na Suíça) e passou a trabalhar cada vez menos.

Para mim, Audrey Hepburn é mais do que uma atriz favorita. Ela é um exemplo de mulher, um exemplo de vida. É um verdadeiro anjo – não foi à toa que este foi o último personagem que ela interpretou no filme “Além da Eternidade”. O diretor Blake Edwards, que a dirigiu em “Bonequinha de Luxo”, resume tudo o que Audrey significa para aqueles que entraram em contato com sua vida e arte quando diz que: “eu acredito que existem poucas pessoas na vida de alguém e que deixam a impressão de que elas nunca se foram. Eu tenho que me lembrar de que ela não está mais por perto”. Audrey não partiu. Ela vive no coração de todos nós.

19 comments:

Wally said...

Mesmo que eu tenha visto apenas dois filmes de Audrey (uma pena...) eu a adoro. Poucas atrizes cativam tanto quanto ela, com sua beleza única e seu charme estupendo. Além de claro, um grande talento. É uma musa do cinema, que nunca será esquecida. E que bom que presou essa homenagem a ela, ótimo alias. Compensa a sessão triste que tive de Amor e Outros Desastres, quando Brittany Murphy sonha o tempo todo em ser Audrey. Ninguém merece...

Quw bom que está de volta Kamila, espero mais textos ;)

Ciao!

Museu do Cinema said...

A elegância da Audrey é inquestionavel.

Otavio Almeida said...

Puxa... e eu deixei passar isso. Enfim, bela homenagem!

E bem-vinda de volta, Kamila!

Bjs!

Kamila said...

Wally, conhece a série "Gossip Girl"? Tem uma tal de Blair lá que também sonha em ser Audrey, especialmente Holly Golightly... O mesmo caso da personagem da Brittany Murphy.

Eu adoro a Audrey. Ela é minha atriz favorita. Um exemplo de vida, como eu digo no texto. Neste Carnaval, assisti a uns 10 filmes dela e me toquei para esse detalhe. O 15o. aniversário de morte dela foi tão pouco lembrado que eu fiquei triste.

Cassiano, não só a elegância dela. A personalidade genuína dela, o talento e carisma é inquestionável.

Otavio, obrigada.

Beijos.

Pedro Henrique said...

Audrey foi o que Meryl Streep é hoje para mim. A imbatível elegância, o total domínio de cena. Enfim, poderia ter sido muito mais não fosse o câncer que tirou-lhe a vida, como disse, a 15 anos.
Ainda deixa saudades.

Belo texto.

Abraço.

Kamila said...

Pedro, obrigada!

Romeika said...

Kamila, belissimo texto! Concordo plenamente com suas palavras sobre Audrey Hepburn, uma atriz que nos deu personagens dos mais diversos em uma epoca na qual muitas estrelas se repetiram por tantas vezes (e isso, em epocas de star system, eh um grande feito).

O mais bonito da personalidade dela vc tocou aqui, era sua bondade. Audrey eh muito particular em todos os sentidos, quando a comparamos com as outras atrizes/atores da geracao dela.

Vinícius P. said...

Nem conheço muito a atriz, mas acredito que o primeiro parágrafo desse texto seja a mais perfeita descrição que já vi sobre a Audrey. "Bonequinha de Luxo" é um dos meus filmes favoritos, realmente memorável, sem falar que ela está muito bem em "Minha Bela Dama". Lembro de sua participação em "Além da Enternidade" também. Nem sabia desses detalhes pessoais dela, muito bom o texto.

Abraço!

Alex Gonçalves said...

Kamila, a sua ausência de dias pareceu uma eternidade! Enfim, bom retorno :)

E muito bela a sua homenagem a atriz Audrey Hepburn. Lendo todo o seu texto, notamos que são poucas as atrizes contemporâneas que, mesmo talentosas, demonstram tanta humildade como Hepburn mostrou ao longo de sua existência. Tenho acompanhado diversos textos dedicados a carreira da atriz, mas pouco conheço do seu trabalho no cinema. Com essa lembrança, nada melhor do que iniciar a minha busca pelos títulos que ela participou.

Tenha uma excelente Sexta-feira e um grande final de semana.

Arthur said...

Confesso que não conheço muito a atriz, mas "Bonequinha de Luxo" é um filme memorável, principalmente por Audrey.

Seu texto ficou ótimo!

Felipe Nobrega said...

Audrey tem uma coisa que quando está na tela parece que nnão há nada mais junto, uma presença de cena impressionante. eLA pertence a um raro de time de atores que costuma dizer "enchem a tela" - causam um magnetismo impressionante, nessa lista, entree outros, coloco JOhn Wayne, Steve Macqueen, Bette Davis, JOan Crawford...

Vulgo Dudu said...

Que belo texto, hein? Deu para sentir o seu envolvimento com a obra da atriz e, por conseguinte, a sua escolha em ser uma cinéfila por natureza. Parabéns!

Bj.

Romeika said...

Kamila, passei um meme da amizade misturado com um "you make my day" award pra vc. ^^

http://aroom-of-ones-own.blogspot.com/2008/02/ive-been-tagged.html

Weiner said...

Kamila, você prestou uma belíssima homenagem ao recordar de uma atriz tão importante para o cinema, dona de participações magníficas em filmes como "Bonequinha de Luxo", e "A Princesa e o Plebeu". Parabéns! Audrey merece...
E deve estar percebendo que é meu primeiro comentário por aqui. Pretendo voltar sempre, até porque eu te conheço do blog do Vinícius e do Cine Vita; antes não comentava porque não entendia como usar o serviço de comentários do blogger. Como criei um blog na wordpress, agora entendo a tecla Sign-in using, hehehe.
Passa lá depois, vai ser uma honra tê-la na minha lista de amigos. Ah, posso adicioná-la no meu blogroll?
Endereço: http://agrandearte.wordpress.com

Kamila said...

Romeika, seu comentário é muito pertinente. Acho que a carreira da Audrey se deve muito ao fato de que Mel Ferrer "controlava" as escolhas dela, a ajudando a escolher os projetos mais adequados. E olha que a influência que ele tinha sobre ela era criticada demais em Hollywood.

Vinícius, obrigada. É sempre muito difícil escrever sobre alguém que a gente tanto admira. O fato de que o texto tem agradado me deixa bem feliz.

Alex, corra atrás mesmo da filmografia da Audrey. E, não se esqueça de que eu te ajudarei com "Um Clarão nas Trevas". ;-)

Arthur, obrigada!

Felipe, adorei seu comentário!

Dudu, obrigada! Como disse no texto, a Audrey é mais que uma atriz favorita. É uma das pessoas que mais admiro.

Romeika, muito obrigada! Continuarei a corrente no final de semana!

Weiner, seja bem-vindo ao grupo de blogueiros cinéfilos. Será uma honra ter você como amigo. Obrigada por me adicionar no seu blogroll.

Beijos e bom final de semana!

Alex Gonçalves said...

Kamila, por pouco me esqueci. Ah, e depois vemos um título do meu acervo para compensar a ajuda, rs.

Kamila said...

Não precisa, Alex. :-)

said...

A Audrey é realmente maravilhosa. É incrível como grandes artistas, que marcaram época com belíssimas atuações e ditaram moda, como a Hepburn, não sejam lembradas de forma merecida.

Esse texto realmente é belíssimo. A Audrey é também a minha atriz favorita, e não me canso de assistir os seus filmes e reparar na sua postura de bailarina, o inglês bem pronunciado, o sorriso encantador. Uma atriz que merece ser celebrada. Tanto por sua obra como sua vida.

Kamila said...

Lá, obrigada pelo lindo comentário. :-)