Tuesday, February 19, 2008

O Suspeito (Rendition, 2007)

Durante o governo de Bill Clinton, foi elaborada uma prática chamada de “rendição extraordinária”. Ao invocá-la, a CIA pode deter qualquer ser que seja uma ameaça aos Estados Unidos e levá-lo (a) à qualquer prisão fora do país. Após os atentados terroristas de 11 de Setembro de 2001, o governo George W. Bush e sua Guerra Contra o Terror desvirtuaram essa pratica, dentre muitas outras, acabando por ferir o direito constitucional de cidadãos, não só norte-americanos, como do mundo.

“O Suspeito”, do diretor Gavin Hood, retrata a história de uma vítima da “rendição extraordinária”. O título do filme é uma referência direta ao engenheiro químico Anwar El-Ibrahimi (Omar Metwally). Egípcio de nascimento, Anwar foi para os Estados Unidos com 14 anos. Na terra do Tio Sam, fez sua vida e casou-se com Isabella (Reese Witherspoon), que está grávida do segundo filho do casal.

A mando da toda-poderosa Corrine Whitman (Meryl Streep), Anwar El-Ibrahimi é preso, quando voltava de uma conferência de trabalho na África do Sul, por suspeitas de envolvimento em um atentado terrorista. Este acontecimento irá atingir a vida de várias pessoas. Nos Estados Unidos, acompanhamos a luta de Isabella para descobrir o paradeiro de seu marido – contando com a valiosa ajuda do amigo Alan Smith (Peter Sarsgaard), o assistente do Senador Hawkins (Alan Arkin). Já num outro país estrangeiro sem identificação, testemunhamos a agonia de Anwar El-Ibrahimi, que sofre com um interrogatório à base de tortura feito por Abasi Fawal (o ótimo Yigal Naor) e supervisionado pelo jovem Douglas Freeman (Jake Gyllenhaal), um observador da CIA.

Primeiro filme do diretor sul-africano Gavin Hood nos Estados Unidos, “O Suspeito” é uma obra bem diferente de “Infância Roubada”. O roteiro de Kelley Sane tem um claro teor político e se posiciona de maneira aberta sobre a prática de “rendição extraordinária”. No final, o mais interessante do filme é acompanhar a transformação dos personagens que realmente podem fazer algo para ajudar Isabella El-Ibrahimi e, por tabela, seu marido Anwar. Em “O Suspeito”, temos um final muito corajoso e no qual quem tem mais a perder é quem coloca a mão na massa. Pena que, na vida real, não é assim que as coisas acontecem.

Cotação: 7,1

O Suspeito (Rendition, EUA, África do Sul, 2007)
Diretor(es): Gavin Hood
Roteirista(s): Kelley Sane
Elenco: Omar Metwally, Reese Witherspoon, Aramis Knight, Rosie Malek-Yonan, Jake Gyllenhaal, Mohammed Khouas, Zineb Oukach, Yigal Naor, Laila Mrabti, David Fabrizio, Mounir Margoum, Driss Roukhe, J.K. Simmons, Meryl Streep, Bob Gunton

11 comments:

Vinícius P. said...

Gostei muito da introdução do texto, acho que explicou esse negócio de "rendição extraordinária" melhor do que o filme ;-)

E o final é um tanto inverossímil, apesar de ser melhor do que todo o resto. "O Suspeito" não chega a ser ruim, mas é depcionante por não trazer nada de novo aos filmes de tema semelhante.

Abraço!

Rodrigo Fernandes said...

Um filme que tbm quero assitir devido a tantos coemntários sobre ele... sejam ruim ou nem tanto, como foi o seu.. pelo que entendi vc gostou, mas falta ainda "algo" no filme, hehehe... essa sensação eu tenho em vários filmes que assisto... espero curtir esse.. já curti os atores...
beijos

Otavio Almeida said...

Perdi esse filme, Kamila. O jeito vai ser esperar pelo DVD. O elenco me agrada... E fiquei com vontade de saber como é esse final corajoso que vc disse.

bjs!

Wally said...

Kamila, eu gostei bastante. A parte tenica, primeiramente, e o elenco. E adorei o contraste entre os personagens de Gyllenhaal e Saargard, e o final é isso mesmo que voce disse.

Ciao!

Kamila said...

Obrigada, Vinícius e concordo com seu comentário.

Rodrigo, é isso aí. "O Suspeito" não é um filme ruim, mas poderia ser melhor.

Otavio, só fui assistir ao filme por causa do elenco e do diretor Gavin Hood. Beijos.

Wally, o contraste entre o assistente de deputado e o jovem investigador da CIA foi o que eu mais gostei nesse filme. Além da dúvida sobre Anwar e sua inocência ou culpa. O elenco está bem, mas não gostei muito da Reese, que achei apática.

Abraços.

Alex Gonçalves said...

Também acabei perdendo a chance de ver "O Suspeito" na tela grande, mas não faz mal, já que não devo ter deixado algo tão extraordinário assim. Também gostei da introdução do seu texto, Kamila. Confesso que não sabia muitas coisas a respeito desta “rendição extraordinária”. Você acha que por este "O Suspeito" e "Infância Roubada" o cineasta Gavin Hood está preparado para rodar a aventura solo de "Wolverine", um filme que nada tem haver com a temática de ambos os filmes?

Weiner said...

Parabéns pelo texto, Kamila! :-)
Olha, eu particularmente gostei de "O Suspeito", uma história muito bem conduzida e com um elenco acima da média. Adoro tudo que a Streep e o Gyllenhaal fazem, e não foi diferente no filme de Gavin Hodd. Este aliás, foi bem melhor que "Infância Roubada".
Grande abraço!!

Pedro Henrique said...

Gostei do filme. Elenco muito bom.
Enfim, tenho a mesma visão que você teve sobre Rendition.

7.0

Vinicius said...

Não gostei muito desse filme. Gosto do teor politico que ele tem, mas o filme em si não me agradou, apesar do bom elenco. Meryl Streep está completamente caricata.

As reviravoltas também são interessantes ao longo do filme, como uma tentativa de explicar os fatos que estavam acontecendo.

Rogerio said...

Esse tema me cansa um pouco, por isso vou esperar pelas locadoras.
Caramba, 7,1. Oq valeu aquele décimo?Akguma frase bem dita certamente né? Aliás, tem algum critério teu específico pras notas? Alguma escala Kamila de julgamento, hehe?

Kamila said...

Alex, eu acho que o Gavin Hood está preparado para "Wolverine". Ele é um bom diretor e acho que vai humanizar o personagem. Porém, me preocupo com a falta de experiência dele em cenas de ação.

Weiner, obrigada. Mas, discordo de você e acho "Infância Roubada" uma obra superior a este "O Suspeito".

Pedro, me lembro de seu texto sobre o filme e a gente concorda mesmo em certos pontos.

Vinícius, exatamente. Concordo a respeito da Meryl Streep. Acho que, do elenco, os melhores foram Gyllenhaal e Sarsgaard.

Rogerio, tenho uma escalinha pré-definida, sim, mas os décimos são uma coisa de momento. :-)