Tuesday, April 29, 2008

No Vale das Sombras (In the Valley of Elah, 2007)

O título original de “No Vale das Sombras”, do diretor Paul Haggis, se baseia em uma história do Antigo Testamento. Golias era um gigante imbatível. Ele desafiou o exército israelense a enviar o seu melhor homem para lutar com ele, mas ninguém se prontificava para atender a missão. Davi, um rapaz comum, decidiu enfrentar o gigante. Munido de uma armadura e de um estilingue, derrubou Golias com uma pedra só. A história de Davi e Golias fala sobre a superação dos medos e, de alguma maneira, todos os personagens deste filme também estão diantes de uma situação em que têm que vencer seus maiores temores.

Temos os soldados norte-americanos (Wes Chatham, Jake McLaughlin, Mehcad Brooks, Jonathan Tucker e Victor Wolf) que servem no Iraque e que têm que encontrar uma maneira para sobreviver (física e mentalmente) ao local. Encontramos a Detetive Emily Sanders (Charlize Theron, numa contida – e eficiente – atuação), que é mãe solteira do pequeno David (Devin Brochu), e tem que lutar contra o preconceito dos colegas de trabalho, que a designam para casos considerados ridículos. E nos deparamos com Hank Deerfield (Tommy Lee Jones, numa performance que lhe rendeu uma indicação ao Oscar 2008 de Melhor Ator), o esposo de Joan (Susan Sarandon), um militar aposentado e que tem que lidar com a culpa que sente pelo destino que tiveram as vidas de seus dois únicos filhos homens, os quais seguiram a mesma carreira do pai.

A trama de “No Vale das Sombras”, que foi escrita por Paul Haggis e Mark Boal, segue a investigação que é feita por Hank Deerfield e pela Detetive Emily Sanders – com a cooperação parcial do Tenente Kirklander (Jason Patric), da polícia do exército – para descobrir a verdade sobre o desaparecimento do filho caçula de Deerfield, Mike (o já citado Jonathan Tucker), que acabara de regressar do Iraque. A partir do inquérito, vamos mergulhar nos dramas pessoais de cada um dos grupos mencionados no segundo parágrafo do texto e passaremos a entender de que forma eles irão se colocar no novo mundo que se apresenta a eles.

Antes de ganhar a fama mundial com os roteiros de filmes como “Crash – No Limite” e “Menina de Ouro”, Paul Haggis era um profissional cujos créditos mais conhecidos incluíam textos para seriados de TV como “Family Law”, “L.A. Law” e “Walker: Texas Rangers”. De alguma maneira, a estrutura narrativa de “No Vale das Sombras” lembra muito a de um episódio de um programa de temática policial, como “Without a Trace”, “Cold Case” ou “Law & Order”. Você tem a contextualização, a descoberta das lacunas no caso, a exploração das vidas pessoais dos envolvidos e, finalmente, o desfecho do evento com as eventuais cenas que mostram o início da continuação da vida. O filme poderia, por isso mesmo, ser uma obra que não marcasse muito, mas acontece justamente o contrário. “No Vale das Sombras” deixa uma impressão definitiva em quem o assiste e isto é mérito exclusivo do roteiro. Não importa quem seja seu parceiro de redação, Paul Haggis consegue encadear as palavras de forma que elas nos emocionam e nos envolvem naquilo que estamos assistindo.

Cotação: 9,0

No Vale das Sombras (In the Valley of Elah, EUA, 2007)
Diretor(es): Paul Haggis
Roteirista(s): Paul Haggis, Mark Boal
Elenco: Tommy Lee Jones, Charlize Theron, Joseph Bertot, Brent Briscoe, Devin Brochu, Josh Brolin, Mehcad Brooks, Chris Browning, Wes Chatham, Barry Corbin, Wayne Duvall, Frances Fisher, James Franco, Rick Gonzalez, Loren Haynes

26 comments:

Robson Saldanha said...

Poxa, uma boa cotação hein, Kamila? Está aqui pra assistir, essa semana devo conferi-lo!! Espero gostar!

abraço!

Romeika said...

Kamila, nao tenho muitas expectativas quanto ao filme, nem muita vontade de ve-lo, tanto que deixei passar no festival de cinema, ainda mais pq vai estrear de qualquer jeito em maio. Nao sou grande admiradora do roteirista/diretor, mas verei no cinema, ainda mais depois da nota e texto animadores.

Kamila said...

Robson, vou aguardar seu texto sobre o filme. Espero que goste.

Romeika, eu gosto muito do Paul Haggis e o filme não me decepcionou. Achei excelente!

Matheus Pannebecker said...

Kamila, acho que "No Vale Das Sombras" não decepciona os fãs de Paul Haggis, mas acho que também não muda a opinião daqueles que não gostam do diretor. Eu gostei do filme, ainda que não tanto quanto você. É o filme menos político sobre o 11 de Setembro, e isso é ótimo, já que precisávamos de outro tratamento para essa data tão explorada pelo cinema.

No filme, o que me marcou mais foi a atuação da Susan Sarandon. Por mais que tenha pouquíssimos momentos em cena, mostra o imenso talento que ela tem escondido em filmes horríveis ultimamente.

NOTA: 7.5 (***)

Hugo said...

Ainda não assisti este, mas gosto de filmes com várias histórias que se entrelaçam, lógico que é necessário um ótimo roteiro e tb um bom diretor para isso dar certo, mas como Haggis acertou em cheio em "Crash", irei assistir este novo trabalho dele.

Até mais.

Otavio Almeida said...

Belíssima crítica, Kamila! Parabéns! Aliás, vc sabe que eu adorei o filme.

Paul Haggis é talentoso e sabe como conduzir um bom drama atual (ou moderno) com pitadas do cinema da clássica Hollywood.

Bjs!

Vinícius P. said...

Goste da atuação da Susan Sarandon, mas de resto é tão ruim quanto qualquer coisa na qual o Paul Haggis esteja envolvido. Abraço!

Rodrigo Fernandes said...

Vous er bem honesto, Kamila, odiei esse filme,assim como tbm odiei o Crash... consequentemente odeio Paul Haggis, ahahha
ìa postar algo dele no meu blog, mas passou batido...
agora se te falasse o motivo elo qual não gostei do filme, não saberia explicar... taí o ponto que sempre coloco de que não tenho aptidão pra ser crítico de cinema, ehhehe...
pra mim simpelsmente foi uma história que não me comoveu, vi uma Susan Sarandon totalmente apagada e deixada de lado durante todo o filme... um tommy lee jones carrancudo.. gostei do desenvolvimento do papel da Charlize Theron .. tbm nãoc urti as várias vezes que o diretor impoe o sentimento em que assiste com cenas fortes e emotivas desnecessárias, assim como o que fez em "Crash" que só faltava destribuir folhetos contra a discriminação racial após o término do filme... - li isso em algum lugar e adorei essa idéia, ahaha -
mas gostei da cena final.. enfim, taí meu desabafo sobre o filme, hehehe.. espero que continuemos amigos, Kamila... rs
beijos!!!

Kamila said...

Matheus, eu também adorei a performance de Susan Sarandon. Aquele momento dela após conversar com o marido no telefone, me desmoronou.

Hugo, "No Vale das Sombras" não tem esse recurso das narrativas entrelaçadas. Na realidade, todos os personagens fazem parte do núcleo da investigação. Algumas histórias são melhores exploradas que outras, mas todas têm ligação com essa historinha de Davi e Golias.

Otavio, obrigada! Você resumiu de maneira perfeita o que o Paul Haggis tem de interessante. Não poderia ter dito de forma melhor.

Vinícius e Rodrigo, porque tanta birra em torno do Paul Haggis?? :-) ADORO o diretor/roteirista.

Ramon Scheidemantel said...

Achei legalzinho, mas não tão marcante quanto você sugere.
9.0? Poxa!
Sendo legalzinho consigo dar um 7.0, e olha lá. hehe.
Bom feriado!

Museu do Cinema said...

Nossa Kamila, vc gosta mesmo desse Haggis hein.

Eu acho ele um diretor de escalão em Hollywood, nunca será um cineasta autor, e esse filme é bem isso mesmo, nas mãos de um Clint Eastwood esse seria um filmasso.

Hollywood perdeu um grande roteirista e ganhou um mediano diretor.

Kamila said...

Ramon, amei esse filme. :-) Bom feriado para você também.

Cassiano, acho que deu para perceber pelo meu texto que sou mesmo uma admiradora do Paul Haggis. Mesmo assim, concordo que ele nunca será um cineasta autor e imagino o que Eastwood poderia ter feito com esse roteiro. De qualquer maneira, isso não apaga o fato de que ele possui essa qualidade: de criar obras que fazem uma conexão imediata com o público.

Pedro Henrique said...

Gostei moderadamante desse filme. Daria um 6.5.

Abraço!!!

Johnny Strangelove said...

o pessoal ora esculacha ... ora vangloriza ...

só sei que Haggis deu novo folego a saga de 007 ... tá bom demais ...
e ainda não vi esse filme ... mas depois com que disses ... quem sabe nesse feriadão ...
beijos

Marfil said...

É o elenco que arrebenta nesse filme! Tommy Lee Jones e Susan Sarandon estão ótimos!

Kamila said...

Pedro, eu adorei esse filme.

João, eu concordo com o que você disse a respeito do Haggis. Acho que ele é até um melhor roteirista que diretor, apesar de ter amado os dois filmes que ele dirigiu.

Marfil, isso é verdade! O elenco é maravilhoso!

Wally said...

Belo texto Kamila, faz jus ao filme, que achei assombroso e eficiente, belo e simbólico. Gostei quase tanto quanto você. Também adoro Haggis, amo Crash. Acho Sarandon a alma desse filme e Lee Jones o olhar.

Nota 8,0

Ciao!

Kamila said...

Wally, não poderia concordar mais com o que você disse. Obrigada!!

Alex Gonçalves said...

Kamila, gostei bastante de "No Vale das Sombras" e compreendo a sua admiração por Paul Haggis, um dos poucos profissionais que, tanto como diretor quanto roteirista, consegue captar com singularidade os sentimentos humanos e acontecimentos presentes em nossa realidade.

Mas sempre existe o Oscar para atrapalhar, se é que você entende o que estou querendo dizer...

Beijos!

Alex Gonçalves
www.cineresenhas.wordpress.com

Kamila said...

Alex, o Oscar atrapalhou muito o Paul Haggis, já que criou uma certa antipatia em relação ao nome dele, mas concordo com tudo o que você disse a respeito dele.

Beijos.

Weiner said...

Engraçado que eu não consegui ver tantas coisas positivas neste filme, inclusive achei muito estranho - já que adoro Paul Haggis e sua maneira de tratar assuntos bastante dramáticos. Detestei as atuações de Theron e Lee Jones, sinceramente. A unica cena em que ela realmente põe drama nos olhos é aquela do afogamento na banheira. Ele, então, é uma máquina, não demonstra nada.
Já Saradon está espetacular.
Abs!

Kamila said...

Weiner, poxa. Vou discordar de você já que achei esse filme sensacional, especialmente no que diz respeito às atuações de Lee Jones e Theron. Concordamos, no entanto, em relação à Susan Sarandon.

Kau Oliveira said...

Eu tive problemas seríssimos com Crash - No Limite. Acho que apenas a atuação de Terrence Howard o salva. Porém, Haggis se redimiu, parcialmente, adaptando Menina de Ouro. Porém em No Vale das Sombras ele conseguiu uma redenção absoluta, ao meu ver. Achei esta fita muito boa; desde o roteiro e direção até a atuação sensível de Tommy Lee Jones (confesso que fiquei meio confuso com Charlize naquele papel, mas enfim). Destaco a cena final do filme (da bandeira) a qual achei impressionante.

Kau Oliveira said...

Ah! Como pude esquecer: Susan Sarandon está magnífica. Aparece pouco, mas nessas oportunidades, dá um exemplo de atuação.

Kamila said...

Kau, eu sou fã do Paul Haggis. Acho que ele é um roteirista fantástico e um bom diretor. Esse "No Vale das Sombras" é mais uma prova desse talento dele. O filme mexe conosco e o elenco está muito bom.

Kau Oliveira said...

Eu comentei sobre Charlize mas ficou meio no vácuo. Quis dizer que não estou acostumado à vê-la nesse tipo de filme e, mais, em papel policial. Achei estranho no começo, mas no decorrer do filme fui achando legal.