Friday, April 25, 2008

O Poder da Esperança (Music Within, 2007)

Quando era ainda uma criança, Richard Pimentel (Ridge Canipe) escutou de um professor uma frase famosa que dizia que muitas pessoas passam pela vida sem encontrar a sua verdadeira música. Por essa afirmação, devemos entender que falta a muita gente descobrir a sua verdadeira voz. A de Richard lhe foi exposta muito cedo: ele tem o dom da palavra. Um ótimo orador, especialmente de discursos que ele decorava pelo rádio, Richard ainda precisava de muita experiência de vida para poder realmente executar algo que fizesse a diferença na vida das pessoas.

De alguma maneira, ele não conseguia transportar as agruras de sua vida pessoal – a mãe (Rebecca de Mornay) vive num hospício e o pai (Clint Jung) morreu cedo – para os discursos que fazia. Isso só irá acontecer quando ele (agora interpretado por Ron Livingston) volta do Vietnã acometido por uma doença que o fez perder a audição e ficar permanentemente com um zumbido no ouvido. Através da amizade que ele desenvolve com Art Honeyman (Michael Sheen, ótimo), um homem inteligente mas portador de paralisia cerebral, bem como com outros veteranos de guerra, Richard decide dedicar a sua vida à luta pelos direitos dos deficientes, especialmente pela inclusão deles em uma vida plena na sociedade – com emprego, lazer, entre outras coisas.

Baseado em uma história real, “O Poder da Esperança”, filme do diretor Steven Sawalich, conta uma história bastante inspiradora. O filme tem uma ótima trilha sonora, a qual embala as diferentes fases da vida de Richard; porém conta com um roteiro que, em alguns momentos, pega pesado com as cenas que retratam alguns dos pontos mais difíceis vividos pelo personagem principal. De qualquer maneira, “O Poder da Esperança” é um filme que marca justamente pela bela mensagem que quer passar.

Cotação: 5,0

O Poder da Esperança (Music Within, 2007)
Diretor:
Steven Sawalich
Roteiro: Bret McKinney, Mark Andrew Olsen, Kelly Kennemer
Elenco: Ron Livingston, Melissa George, Michael Sheen, Yul Vasquez, Rebecca de Mornay, Hector Elizondo, Leslie Nielsen, Ridge Canipe, Paul Michael, Clint Jung, John Livingston

24 comments:

Johnny Strangelove said...

Poxa, estava com muita curiosidade para ver esse filme ...
tem filmes que não querem ter notas altas mas que sua mensagem seja transitida ... boas palavras Milla ...

mas se fosse 6,0 seria até good ...
kisses ...

Robson Saldanha said...

Queria poder ver tanto filme assim, to muito fraquinho ultimamente!! hehehe

Romeika said...

Outro filme que eu nunca tinha ouvido falar, pela historia parece ser algo lacrimejante e sentimental hehe E mais outra atriz que nao vejo ha tempos, Rebecca de Mornay.

Vinícius P. said...

Confesso que até agora não sabia nada sobre esse filme. Com seus comentários nem me empolguei muito para ver, parece ser mais um drama comum sem muito a se aproveitar - mesmo com o elenco competente. Abraço!

Ibertson Medeiros said...

Não conhecia esse filme.
Bom saber agora. Assim que puder assistirei.
Beijo!

Rodrigo Fernandes said...

Kamila, não consegui entender o motivo da nota tao baixa... pelo que li aparenta ser um ótimo filme baseado numa história interessante e real...
vc mesma disse que transmite uma bela mensagem, enfim...
roteiros pesados, avezes são fundamentais para que a historia ganhe força e consiga emocionar - nas muitas vezes que vi essa caracterisitca em um filme, gostei do resultado.
beijos

Weiner said...

Concordo com o Rodrigo, Kamila. O que de fato te incomodou tanto no filme para que recebesse nota 5,0? E tirando o Michael Sheen, que deu uma emergida do submundo depois de viver Blair em "A Rainha", o que sobra de bom nesse elenco? Nossa, o último filme que eu vi da De Mornay foi "Identidade"...

Kamila said...

João, mas assista ao filme. Como eu disse, ele é bonitinho, emociona!

Robson, pois então assista ao filme. Ele foi lançado em DVD neste mês.

Romeika, a Rebecca de Mornay tem um papel bem pequeno no filme. E a história é bem lacrimejante.

Vinícius, é um drama comum, mas com um diferencial: conta uma história de inspiração e de luta.

Ibertson, assista e aguardo seu comentário.

Rodrigo, deixa eu te explicar: o filme, no começo, ele indica que vai partir para um caminho; mas depois ele começa a deixar a impressão de que vai ser um melodrama barato; para, finalmente, se reencontrar depois. A inconstância da narrativa é o maior defeito do filme.

Weiner, veja a explicação que eu dei ao Rodrigo acima. O Michael Sheen é o melhor nome do elenco. Ele interpreta um portador de paralisia cerebral de forma estupenda.

Bom final de semana!

Museu do Cinema said...

Fiquei curioso com esses "pega pesado com as cenas que retratam alguns dos pontos mais difíceis vividos pelo personagem principal".

Violência?

Otavio Almeida said...

Nossa, Kamila! Eu juro que jamais ouvi falar neste filme. Valeu pela dica, mas você achou razoável, não?

Bjs! E bom final de semana!

Pedro Henrique said...

Gosto de estilo de trabalho do Ron Livingston e esperava mais desse filme. Deixou desejar...

Abraço!!!!

Rafael Carvalho said...

Assim como a Romeika e o Otavio, não tinha ouvido falar desse filme, mas me pareceu interessante. Talvez o fato de eu ter ficado um tempo longe da net talvez tenha me distanciado um pouco dos lançamentos. Meu blog inclusive estava parado, mas já voltei a atualizá-lo. Abraço e bom fim de semana Kamila!

Kamila said...

Cassiano, isso não diz respeito à violência. Como eu disse ao Rodrigo, o filme começa e indica que a narrativa vai para um certo caminho, mas, chega uma hora, em que eles começam a exagerar demais no drama. Fica uma coisa que destoa do resto da obra.

Otavio, eu ouvi falar desse filme na edição desse mês da revista SET e eu achei mesmo um filme razoável.

Pedro, pelo que ele prometia, o filme deixa mesmo a desejar.

Rafael, seja bem-vindo de volta. Ouvi falar desse filme na edição desse mês da revista SET.

cineresenhas said...

Kamila, tenho vontade de ver este filme, especialmente pelo elenco. Tentarei encontrá-lo no próximo mês nas locadoras por aqui. Lendo a sua sinopse, mas completa do que daquelas que vi em algumas outras fontes, a história verídica também é um atrativo.

Alex Gonçalves
www.cineresenhas.wordpress.com

Wally said...

Eu tinha apenas visto o poster e admirado os atores. Engraçado que lançou em DVD e nem tem registros nos sites de cinema ou nos catálagos das locadoras.

Eu devo ver, mas por causa do elenco, em especial Michael Sheen, subestimado por sua performance competente em A Rainha.

Ciao!

Kamila said...

Alex, a história do filme foi o maior atrativo para que eu quisesse assistir a este filme.

Wally, exatamente. Procurei a ficha técnica do filme no E-pipoca, mas não encontrei. Mas, foi lançado em DVD mesmo. Saiu até na revista SET! E o Michael Sheen é o melhor do elenco do filme, sem dúvidas.

Isabela said...

Eu até que possuia boas expectativas para esse filme, agora ja irei sem tanta sede ao pote.

Kamila said...

Isabela, "O Poder da Esperança" é um filme bonitinho e que comove, mas que poderia ser bem melhor.

Ramon Scheidemantel said...

Kamila... nunca tinha ouvido falar do filme. Parece bem piegas.
Ah, o que você quis dizer com "pega pesado com as cenas que retratam alguns dos pontos mais difíceis vividos pelo personagem."?

Kamila said...

Ramon, o filme foi lançado neste mês nas locadoras.

Quando digo isso que você citou é justamente para dizer que o filme fica piegas demais, melodramático demais.

Marconi said...

Sinto muito por discordar de vcs...
O Filme é muito bom e a mensagem que ele tenta passar é bastante interessante pois são fatos que acontecem na sociedade com bastante frequência na vida de um Portador de necessidades especiais. Importante salientar tb que o filme se passa em uma epoca onde existe uma Lei, a Lei dos repugnantes, onde o portador de uma necessidade especial não pode aparecer na rua por causar nausêas em outras pessoas pela sua particularidade. O preconceito aparece fortemente no filme e o ator principal apesar de sua mãe ter "DM" não percebia o preconceito e as dificuldades que um P.N.E. tem de enfrentar no seu dia-a-dia até ele adquirir o problema de audição devido a explosão que ocorre ao seu lado. Então ele conhecer Art, que tem paralisia cerebral e dotado de um QI de 180, e cria um elo muito forte com ele por poder entender tudo o que Art falava e sentia por ter de enfrentar o Preconceito dos outros. Richard que possuia um Dom de Oratoria dedicou-se em mudar o pensamento da sociedade mostrando que os Deficientes tb poderiam se encaixar na sociedade positivamente, e com isso ele conseguiu no decorrer do filme, Acabar com a lei dos repugnantes e incluir os D.Físicos na sociedade dando-lhes trabalho ea liberdade, e conseguiu mudar o pensamento da sociedade com relação aos P.N.E. em mais ou menos 27 países; E Art que não tinha chance alguma de sucesso na sua vida por causa das chances que ele não poderia ter devido também a essa lei que foi "excluida" com a ajuda de (Richard), tornou-se escritor, e autor de diversos livros.
A História é muito bonita e tenta mostrar uma sociedade uma verdade: "Será que é preciso adquirir um problema para tentar entende-lo?"
Eu acredito que que não é preciso mas eu sei que muitos na sociedade acham que portadores de necessidade especial não tem direitos e não se preocupam em defende-los. Muito pelo contrario diariamente é possivel observar pessoas reclamando em filas de supermercado, banco, ou onde seja por um portador de necessidades especiais furar uma fila ou ter preferencia.

Fabio Rocha said...

Isso que é vida. Isso que é filme.

Anonymous said...

Sinto muito em descordar com a opinião da maioria. Como estudante de um curso que tem o foco justamente nas pessoas com necessidades especiais, pude entender muito bem a mensagem do filme, que por sinal, foi muito bem pensado, que consegue expor justamente o que as pessoas com necessidades enfrentam no seu dia a dia. O filme é excelente, ele mostra o quanto é importante a aceitação das diferenaças na sociedade, que infelizmente muitas vezes nao acontece, pois ainda temos pessoas preconceituosas quando se trata da aceitação na sociedade de pessoas com necessidades especiais. Claro, objetivo, e o mais emocionante, baseado em fatos reais, o filme é uma excelente opção, nota 10 ainda é pouco. Um dos melhores filmes que ja assisti.Assistam para depois julgar.

Anonymous said...

kamila nao entendi o motivo de voce ter elogiado o filme,o elenco e ter dado nota 5 no final....eu faço facuul de ed especial na UFSM-RS e AMEEEI o filme...o filme mostra bem a realidade dessas pessoas com deficiências e foi muito boom alguem se preocupar em mostrar as dificuldades e os preconceitos que ainda existem nesse mundo..você só se preocupa com o filme em si, mas nao deve ter percebido o valor que esse filme tras na história dessas duas pessoas sonhadoras e batalhadoras.....GP