Friday, April 18, 2008

Um Plano Brilhante (Flawless, 2007)

Existe um certo tipo de filme que nunca envelhece e é aquele que retrata histórias de planos de um roubo que deve ser considerado perfeito. Só no primeiro semestre de 2008, as salas de cinema dos Estados Unidos se viram diante de dois filmes dessa espécie. O primeiro foi “Um Plano Brilhante”, do diretor Michael Radford. O segundo foi “Efeito Dominó”, de Roger Donaldson, filme que recebeu muitos elogios da crítica especializada. Os brasileiros, desde a semana passada, já podem conferir uma dessas obras: a de Radford, que se passa na década de 60, em Londres.

O roteiro de Edward Anderson oferece uma característica em comum aos dois personagens principais de “Um Plano Brilhante”: eles são pessoas que – por casualidades do destino – não conseguiram desenvolver plenamente todo o seu potencial. Em uma época altamente machista, Laura Quinn (Demi Moore, na melhor performance desde que retomou sua carreira) possui um cargo de destaque na London Diamond Corporation, uma empresa especializada na venda de diamantes. No entanto, ela sempre é preterida na hora das promoções para homens menos qualificados que ela.

Já o Sr. Hobbs (Michael Caine, ótimo) teve que se dedicar ao cuidado da esposa doente e abandonou a oportunidade que teve de seguir a carreira para a qual foi treinado. Hobbs trabalha como faxineiro na London Diamond Corporation e sabe de toda a sujeira que está escondida entre as paredes de cada sala da empresa. Quando ele revela para Laura que ela será demitida em breve, arranja uma cúmplice para seu plano: roubar um punhado de diamantes da empresa na qual trabalham.

Se você acha que o planejamento e a execução do roubo são as partes mais legais de “Um Plano Brilhante”, não perde por esperar. O diretor Michael Radford e o roteirista Edward Anderson nos reservam surpresas interessantes a partir do momento em que a investigação do roubo entra em cena. De alguma forma, a presença do investigador Finch (Lambert Wilson) consegue revelar ainda mais da podridão existente na London Diamond Corporation e das motivações por trás dos atos cometidos pelos dois personagens principais.

Com “Um Plano Brilhante”, o diretor Michael Radford envereda, pela primeira vez, nos meandros de um filme nesse estilo. E ele se sai muito bem no trabalho – especialmente porque contou com uma equipe técnica inspirada, destacando-se a direção de arte (de Sophie Becher e Christina Schaffer), os figurinos e a trilha de Stephen Warbeck. A única vez em que Radford escorrega é no seu final, que é um tanto demagógico – aqui, o diretor repete o mesmo erro visto em um outro filme sobre “os melhores amigos das mulheres”, “Diamante de Sangue”, de Edward Zwick.

Cotação: 7,5

Um Plano Brilhante (Flawless, Inglaterra, Luxemburgo, 2007)
Diretor(es): Michael Radford
Roteirista(s): Edward Anderson
Elenco: Joss Ackland, Jonathan Aris, Michael Caine, Simon Day, Josef d'Bache-Kane, Constantine Gregory, David Henry, Kim Hermans, Nicholas Jones, Demi Moore, Derren Nesbitt, Nathaniel Parker, Steve Preston, Ben Righton, Peter Rnic

21 comments:

Museu do Cinema said...

Kamila, gostei do final do filme, achei que o roteiro muitas vezes tem demagogia demais é verdade, mas no final não.

Kamila said...

Cassiano, comigo aconteceu justamente o contrário. Todo o filme funcionou. Só não gostei mesmo do final.

Rodrigo Fernandes said...

Tomara que venha pras minhas terrinhas, hehee.. normalmente produções que não sejam das corporações Xuxa e cia demoram pra vi pra cá, heheh..
Que bom que vc elogiou a Demi Moore, isos me dá masi coragem de ir assistir, já que tenho visto pessimas atuações desde o seu retorno..
beijos

Kamila said...

Rodrigo, eu acho que este "Um Plano Brilhante" - junto com "Paixões Paralelas" - é o melhor filme que a Demi fez desde que retomou a carreira.

Bom final de semana!

Pedro Henrique said...

Acho que minha visão será bem parecida com a sua quando ver o filme.

Bom feriado!!!

Otavio Almeida said...

Kamila, confesso que não tive vontade de ir ao cinema... Mas sua bela crítica apontou alguns aspectos curiosos.

Bjs! Bom final de semana!

Ibertson Medeiros said...

Gosto muito de "filmes de roubo", com seus planos bem idealizados e suas reviravoltas.
Quero ver esse aí, já vi vários comentários positivos.
Beijo!

Vinícius P. said...

Devo ver esse amanhã, mas sem grandes expectativas. Apesar de seus elogios (em especial à parte técnica), não sou muito atraído por essas tramas de roubo - ao menos as recentes, que não encantam como alguns clássicos do gênero.

Abraço!

Cecilia Barroso said...

Esse já está na minha lista do feriado... Adoro Michael Caine e acho que vou gostar do filme!
Beijos

Kamila said...

Pedro, aguardo a sua opinião sobre "Um Plano Brilhante".

Otavio, eu não estava muito interessada em assistir a este filme, mas fui coagida pelas críticas do Alex e do Cassiano. Eles estavam certos. Obrigada!

Ibertson, eu assisti a este filme justamente por ter lido os comentários positivos.

Vinícius, eu adoro filmes de roubos. Acho muito interessantes, mesmo os exemplares mais fracos. Espero que goste de "Um Plano Brilhante".

Cecilia, se você gosta do Caine, irá adorá-lo neste filme. Ele constrói um ótimo personagem.

Bom final de semana!

Jacques said...

Kamilla ainda não assisti a esse filme, talvez por tratar-se de Michael Radford. Minha opinião o último bom filme que dirigiu foi O Carteiro e o Poeta - filme sensibilidade artistica e com belas atuações de Noiret e Troisi. Sou fã de Demi Moore (mais pelo charme e aquela irresistível voz de garota abandonada), embora tenha suas limitações como atriz. O melhor dela ainda acredito que seja quando participou da Era dos "Bradpacks". Vou procurar assistir à sua recomendação. Abração

Kamila said...

Jacques, eu concordo que o melhor filme do Radford é "O Carteiro e o Poeta", mas esse "Um Plano Brilhante" é uma obra acima da média. Acho que merece uma visita.

Wally said...

Um bom filme mesmo. Arrojado em seu estilo, com belos aspectos técnicos, como listou, e apoiado nas duas magníficas atuações de Moore e Caine, excepcionais. O filme em sí faltou algo mais para me conquistar por completo. Não acho que tenha realmente decolado, e também tenho minhas ressalvas com o desfecho. Mesmo assim, merece ser visto. Bom pedaço de cinema.

Nota 7,0

Kamila, acabei de ver 2h37, em DVD, e eu procurei do filme nos principais sites de cinema. Nenhum diz se foi lançado nos cinemas no Brasil. Eu queria saber se você viu mesmo nos cinemas?? Pois eu preciso colocá-lo em alguma seção do blog, e não sei se uso "filmes de 2007" ou "filmes de 2008, listado como lançamento direto em dvd". Se puder ajudar, ficarei agradecido, já que na minha lista de filmes lançados no Brasil ano passado, ele não está lá.

Ciao!

Arthur said...

Ainda não vi (vi Imagens do Além
-.-''), mas li por aí que se saiu super nas bilheterias por aqui.

Devo conferir em breve...

Bom Fim de Semana

Wiliam Domingos said...

Filmes sobre roubos perfeitos não me animam muito, mas os poucos que já vi eu até gostei...vou considerar a tentativa de Radford com o genero, talvez goste!
Abraço

Kamila said...

Wally, concordo plenamente com seu comentário sobre "Um Plano Brilhante". Assisti "2h37" no cinema, numa sessão de arte que acontece aqui em Natal.

Arthur, confira mesmo porque é um filme bem legal.

William, dê uma chance ao filme, porque é uma obra acima da média.

Isabela said...

esse eu ainda não vi, mas de antemão ja digo que adoro o Michael Caine.

Kamila said...

Isabela, como eu comentei mais em cima, se você adora o Michael Caine, vai gostar muito dele em "Um Plano Brilhante".

Alex Gonçalves said...

Kamila, "Um Plano Brilhante" é um filme bem luxuoso, bem dirigido e bem interpretado. Gostei muito de todo o filme, até mesmo o seu desfecho, que talvez seja o melhor instante do filme. Gosto muito da forma como ele valoriza sua protagonista e da cena que fecha o filme.

Gustavo said...

Kamila, esperava um pouco mais desse filmes, principalmente pelos envolvidos e por gostar do tema do crime.

achei um pouco decepcionante principalmente, como você disse, o final. quase constrangedor.

Kamila said...

Alex, pois, para mim, o final foi a pior parte do filme. Odiei!!

Gustavo, eu fui assistir a este filme atraída pelos bons comentários que li em outros blogs e não me arrependi. Gostei muito, apesar do final ser muito constrangedor.