Saturday, May 06, 2006

Missão Impossível III (Mission: Impossible III, 2006)


Com o perdão do trocadilho, fazer “Missão Impossível III” foi quase uma tarefa impossível para o astro e produtor Tom Cruise e sua parceira, a produtora Paula Wagner. Joe Carnahan (“Narc”), o primeiro diretor escalado para o trabalho, abandonou o barco quando o filme já estava num estágio bem avançado da pré-produção – aparentemente porque não concordava com a visão criativa de Cruise. O episódio só fez aumentar a fama de controlador que o superastro possui. No entanto, essa teoria começa a vir abaixo quando se assiste ao que J. J. Abrams (o segundo – e definitivo – diretor escalado para o filme) fez com “Missão Impossível III”. Tudo no filme leva a sua marca – a começar pela equipe técnica. Nomes como os dos roteiristas Alex Kurtzman e Roberto Orci, o do compositor Michael Giacchino, o da diretora de elenco April Webster e o do diretor de arte Scott Chambliss trabalham com o diretor no seriado “Alias”. Até mesmo na frente das câmeras vemos rostos conhecidos do universo de Abrams, como a atriz Keri Russell (que foi a protagonista de seu seriado “Felicity”) e de Greg Grunberg (o melhor amigo de Abrams e que trabalhou em todas as séries dele).

No entanto, a maior das marcas de J. J. Abrams a estar presente em “Missão Impossível III” – e, por conseqüência, a maior contribuição que ele oferece à série – é a humanização dos personagens, especialmente a do agente Ethan Hunt (Cruise). Neste momento, pela segunda vez, aparece uma conexão com o trabalho que Abrams desenvolve em “Alias” – uma série que, apesar de retratar o dia-a-dia de agentes da CIA, ou seja, as missões que eles desempenham e os inimigos que eles combatem dentro e fora da Agência; tem o foco voltado para os relacionamentos pessoais desses agentes com as suas famílias, os seus amores, os seus colegas de trabalho e os seus inimigos. Em muitos episódios de “Alias”, inclusive, as vidas pessoais dos agentes chegam a se confundir com as missões que eles têm que realizar.

Por causa disso, em “Missão Impossível III”, vemos um Ethan Hunt bem diferente do que nos acostumamos a ver nos dois filmes anteriores da série. O roteiro do filme não se resume somente a retratar a missão e o inimigo que o agente têm de enfrentar. Pela primeira vez, se procura aprofundar o personagem. Portanto, na terceira parte de “Missão Impossível”, a platéia conhece a vida pessoal de Ethan Hunt. Desde que o agente conheceu a enfermeira Julia (Michelle Monaghan) – de quem Ethan ficou noivo –, ele não participa mais de trabalhos de campo e prefere se dedicar ao treinamento de novos agentes da IMF. Entretanto, Ethan é obrigado a voltar ao batente quando a agente e ex-aluna sua Lindsey Ferris (Russell) é seqüestrada e, conseqüentemente, executada por Owen Davian (Philip Seymour Hoffman, o vencedor do Oscar de Melhor Ator em 2006). Hunt se vê ainda mais envolvido na missão de capturar Davian depois que ele seqüestra Julia. É neste momento em particular que Hunt vê o seu mundo cair, pois, como agente, Ethan nunca teve a oportunidade de ter relacionamentos reais. Mas, ao conhecer Julia, Hunt vê, de maneira concreta, uma chance de ter uma vida até certo ponto normal – desde que ele consiga manter a noiva protegida da sua segunda vida, o que ele conseguia fazer até Davian aparecer.

“Missão Impossível III” é um filme que nasceu cercado de expectativas. A película pode significar a recuperação da carreira de Tom Cruise – que vem patinando desde que o astro se divorciou de Nicole Kidman e passou a fazer declarações e aparições na mídia polêmicas e, até certo ponto, patéticas. Ao mesmo tempo, “Missão Impossível III” também pode consagrar de vez J. J. Abrams como uma das mentes mais criativas da indústria do entretenimento nos dias atuais – tendo em vista que ele já é o rei da televisão norte-americana com o sucesso estrondoso que é “Lost”. Neste sentido, pode-se dizer que a missão dos dois foi completamente cumprida, pois “Missão Impossível III” é um filme de primeira qualidade – com cenas de ação bem dirigidas e uma história cativante.

Cotação: 9,0

Crédito Foto: Yahoo! Movies

6 comments:

Romeika said...

Esse filme parece que surpreendeu:) Ainda não o vi, e nem vi 'terapia do amor', perdi 'armações do amor', e os outros que vc resenhou tb não vi, mas foi pq não quis ver mesmo (parece que não valem a pena)
Kamila, eu fui pegar a fita, sim, na quinta-feira, deu tudo certo. Assisti ontem, e esse Kevin é mais trash do que eu pensava. A fama de galinha dele é antiga, então..Ele ainda vai passar um chifre grande na Britney (isso se não já passou..) Falando em Tom Cruise (vide a foto dele), o que vc acha desse comportamento dele com o bebê? (aliás, já nasceu?) Eu acho horrível!!!=/ A Nicole pulou uma fogueira..É verdade que ela vai casar tb?? Beijos (respondo o resto do seu comment no blog)

Kamila said...

Que bom que deu tudo certo. Eu acho que esse Kevin está é mesmo se aproveitando da fama e da fortuna da Britney. Já está com ela nas mãos dele e faz tudo o que bem quer sem ela nem sequer reclamar ou esbanjar reação. Ele vai sustentar esse casamento até quando não for mais benéfico para ele. Anote o que eu estou dizendo: a Britney é a futura Whitney Houston! Kevin é o seu Bobby Brown! :-)

A filha do Tom Cruise já nasceu e se chama Suri. Parece que o parto foi silencioso mesmo e as duas estão bem. A Katie já foi até com ele para a première de "MI: III". E, parece que a Nicole não queria se livrar de uma, tendo em vista que ela mesma está afirmando que ainda ama Tom Cruise. Vai entender o por quê dessas declarações dela, tendo em vista que ela parece estar bem feliz com o cantor de country dela. Parece que nós, mulheres, gostamos de sofrer mesmo!

Romeika said...

Há séculos que não vejo um filme de ação tão bom...O ritmo do filme é tão ágil que não dá nem tempo de analisar a canastrice ou não canastrice do Tom..Adorei. Se 24 horas virasse um filme tinha que ser daquele jeito..Aliás, Ethan e Jack Bauer tem algumas similaridades..:P A nota 9,0 foi mais do que justa. Se não fossem por certos clichês que sempre persistem nesses filmes, ganharia um 10,0, não?

Kamila said...

Com certeza, Romeika. Nem dá tempo de a gente analisar a canastrice do Tom Cruise. O filme é excelente. Sua avaliação dele foi perfeita!

Dyego said...

Oi Kamila! Adorei o seu comentário do filme. É realmente muito bom o filme. Gostei muito de Philip Seymour Hoffman como vilão e acho que o caminho para o IV já foi traçado. Será que Julia vai ser treinada por Ethan e teremos uma "Hunt-girl" mais atuante no próximo filme? O que vc acha? Bjs!

Kamila said...

O caminho para o IV está totalmente traçado, Dyego. Acho que, num próximo filme, a relação entre Ethan e Julia será muito mais explorada, afinal ela será cúmplice dele - no sentido de que ela sabe de toda a vida dele na agência. Não concordo com Julia se tornar uma "Hunt-Girl". A força da história deles está no relacionamento amoroso. Se ela virasse agente tbm, o filme ficaria ainda mais "Alias".

Beijos e adorei sua visita!