Thursday, June 28, 2007

88 Minutos (88 Minutes, 2007)

As primeiras cenas do filme “88 Minutos”, do diretor Jon Avnet, podem enganar bastante. Um homem de meia-idade está em uma festa num bar. Ele acorda, no outro dia, ao lado de uma bela mulher, quando o seu telefone toca. É um detetive de polícia (William Forsythe) que relata para ele a cena de um crime. Seria uma situação completamente normal se não fosse por um mero detalhe: o homem que atende ao telefone não é um policial, muito menos um promotor ou advogado. Ele é um psiquiatra forense, que trabalha para o FBI.

Mas, você deve estar se perguntando, o que ele tem a ver com a cena do crime? Muito. Como veremos nas cenas seguintes, o psiquiatra forense se chama Jack Gramm (Al Pacino, numa boa atuação) e é super famoso na área. O crime relatado no início de “88 Minutos” tem o mesmo perfil dos cometidos por Jon Forster (Neal McDonough), o caso mais famoso pego por Gramm. O assassinato é ainda mais intrigante, pois ocorre no dia em que Forster será executado.

A trama de “88 Minutos” fica ainda mais complicada quando o assassino imitador do estilo de Jon Forster ataca novamente (suas vítimas, curiosamente, são todas mulheres do círculo de conhecimento de Jack Gramm) e ainda faz uma ligação anônima para o psiquiatra forense para dizer que ele tem somente 88 minutos de vida – fato que obriga Gramm a correr feito um louco para desvendar a identidade do imitador e tentar salvar a sua vida e reputação, que está indo por água abaixo na medida em que a condenação de Jon Forster começa a ser questionada.

Num filme como “88 Minutos”, cuja trama acontece quase que em tempo real (numa clara influência da série de TV “24 Horas”), o elemento mais importante é o roteiro. Se ele tem algum furo, tudo dá errado. O de “88 Minutos”, que foi escrito por Gary Scott Thompson (cujos créditos incluem episódios do seriado “Las Vegas” e os dois primeiros filmes da série “Velozes e Furiosos”), vai sendo desenvolvido de maneira correta até chegar ao quarto final, quando o roteirista se rende às obrigatórias reviravoltas chocantes que já fazem parte do gênero do thriller psicológico. Se você decidir ignorar isto, “88 Minutos” é até um filme interessante sobre como a vingança – às vezes – não leva a nada.

Cotação: 4,5

Crédito Foto: Yahoo! Cinema

13 comments:

Vinícius P. said...

Já não tinha muita vontade de ver esse filme, agora então com seus comentários... Filmes com o Pacino sempre valem a pena (vide "Treze Homens e um Novo Segredo"), mas esss parece ser mais uma escolha errada em sua carreira.

Até mais!

Museu do Cinema said...

Kamila, lendo os comentários do filme, bem escritos por vc, fiquei com vontade de vê-lo, já que era um filme que passaria longe, mas no final, quando vi sua nota, perdi o interesse.

Vc fez o papel de advogado do diabo.

Otavio Almeida said...

Mas que maré do Al Pacino, hein... Nada dá certo... Ainda não vi esse filme, mas por sua nota, vou esperar mais um pouquinho.

Bjs! Bom final de semana!

Romeika said...

Kamila, nao vi nenhum dos sete ultimos filmes que vc comentou aqui, por isso estou em falta no seu blog...=/ Li seu texto, e acho que a unica coisa que me atrairia nesse filme seria a presenca do Al Pacino, pois faz tempo que nao o vejo no cinema. De resto, acho que nao iria conferir, talvez em casa.

Marcus Vinícius said...

Me cheirou a bomba também, mesmo tendo o Pacino no elenco.

Kamila said...

Cassiano, você tem que ver o filme. Acho que vai gostar, pois a Deborah Kara Unger, uma atriz de quem você gosta muito, está nele.

Vinícius, Marcus e Otávio, esse filme foi uma escolha tão equivocada do Pacino que nem nos cinemas foi lançado. O filme foi direto para as locadoras, tanto no Brasil, como nos EUA.

Romeika, eu asssiti este filme no conforto da minha casa, no DVD mesmo. :-)

Beijos e bom final de semana!

Romeika said...

Oops, foi mal, Kamila! Eh que estou por fora das estreias brasileiras, nao sei o que estah em cartaz no momento ou o que foi lancando em dvd. E como o filme eh de 2007... Bom fds! beijos.

Kamila said...

Eu imagino, Romeika, que você está totalmente por fora do que está acontecendo por aqui, e eu te garanto (e você deve se lembrar muito bem de como é a época de férias aqui em Natal), você não está perdendo nada... :-)

Beijos.

Wanderley Teixeira said...

Já tinha ouvido falar desse 88 minutos com o Pacino,por sinal ouvido palavras péssimas a respeito do filme.Mais uma vez desperdício e saturação de talento que me faz questionar se é fruto de uma péssima escolha ou da falta de papéis a atores mais maduros.

Kamila said...

Eu acho, Wanderley, que é mais fruto de uma péssima escolha, do que da falta de papéis para atores mais maduros.

Alex said...

Coincidentemente, havia dado à mesma nota quando escrevi a respeito de "88 Minutos" no meu antigo Blog. Tudo é sofrível, exceto as excelentes coadjuvantes (Alicia Witt, Leelee Sobieski e principalmente Debora Kara Unger, que é uma das minhas atrizes prediletas).

Kamila said...

Alex, das que você citou, somente a Alicia Witt foi bem. A Deborah, foi mal utilizada, na minha opinião. E a Leelee caiu no caricato demais.

Obrigada pela visita!

Alemão said...

olá tudo bem?
achei muito legal o blog... nunca comento aqui mas não eh a primeira vez que estou lendo seus comentários por aqui...
não intendo absolutamente nada de cinema... ou melhor, não sou nem um pouco qualificado para crítico de cinema.. mas gostaria de dizer que gostei mais desse 88 minutos do que de filmes como piratas do caribe 3 e shrek 3, mas vai sabe neh... não intendo nada dessa arte cinematográfica, mas apenas queria dizer aqui que o blog esta muito legal... ^^
bjos