Wednesday, March 05, 2008

Mutum (2007)

A palavra Mutum pode significar uma ave de plumagem negra, com topete com penas encrespadas e lisas e um bico de cores vivas. Pode também se referir ao que é mudo. Mas, no caso do filme de mesmo nome da diretora Sandra Kogut (que co-escreveu o roteiro da obra ao lado de Ana Luiza Martins Costa), o vocábulo se refere à denominação de um município brasileiro que fica localizado no Estado de Minas Gerais. É nesse lugar isolado que mora Thiago (Thiago da Silva Mariz) e sua família – a qual é formada pelo pai (João Miguel), pela mãe (Izadora Fernandes) e pelos irmãos Felipe (Wallison Felipe Leal Barroso), Juliana (Maria Juliana Souza de Oliveira), Brenda (Brenda Luana Rodrigues Lima) e João Vitor (João Vitor Leal Barroso).

O filme começa quando Thiago retorna das férias que passou ao lado do tio (Rômulo Braga). O garoto tem 10 anos e é bem diferente dos meninos de sua idade. Ele gosta de ficar sozinho, tem uma certa sensibilidade e está naquela fase da vida em que tem curiosidade de saber o que se passa ao seu redor. E é justamente através do olhar dele – e das conversas que ele trava com o irmão e único amigo Felipe – que veremos como ele interpreta o mundo dos adultos que o cercam. Ao se deparar com traições, violências, silêncios e perdas, Thiago começa a deixar a sua infância para trás e a perceber qual o melhor caminho para ele seguir.

Apesar de possuir atores experientes no seu elenco, como João Miguel (de “Cinema, Aspirinas e Urubus” e “O Céu de Suely”), Luiz Carlos Vasconcelos (“Carandiru” e “Eu, Tu, Eles”) e Flávio Bauraqui (que está no ar atualmente na novela “Duas Caras”, da Rede Globo), “Mutum” é um filme que se apóia nas atuações de seu elenco infantil – em especial na do garoto Thiago da Silva Mariz. Aqui, a gente tem que destacar o trabalho da preparadora de elenco Fátima Toledo (que também mostrou sua competência em filmes como “Tropa de Elite”, “Cidade Baixa”, “O Céu de Suely” e “Cidade de Deus”). Apesar de Thiago Mariz demonstrar algumas limitações em determinadas cenas, ele carrega o filme sozinho – o que é uma responsabilidade enorme – passando uma sensação de genuinidade. Ele é a alma e o coração de “Mutum”.

Cotação: 9,7

Mutum (Mutum, Brasil, 2007)
Diretor(es): Sandra Kogut
Roteirista(s): Ana Luiza Martins Costa, Sandra Kogut (com base no livro de J. Guimarães Rosa)
Elenco: Thiago da Silva Mariz, Wallison Felipe Leal Barroso, Maria Juliana Souza de Oliveira, Brenda Luana Rodrigues Lima, João Vitor Leal Barroso, João Miguel, Izadora Fernandes, Rômulo Braga, Paula Regina Sampaio da Silva, Maria das Graças Leal Macedo, Pedro Trovão, Luiz Carlos Vasconcelos, Flavio Bauraqui, Raimundo Nonato Soares da Silva, Eduardo Moreira

12 comments:

Wiliam Domingos said...

Um filme que tem tudo pra parecer piegas, clichê e cia...mas se tratando do q vc disse, me interessa muito! E ainda é Nacional...palmas, mais palmas!
beijo!

Wally said...

Ahhh...eu quero ver! Campo Geral é ótimo. Não esperava que o filme poderia ser tão bom. Fiquei feliz com seus comentários.

Ciao!

Ramon Scheidemantel said...

Nossa, que bela nota. A Fátima Toledo detona mesmo.
Preciso conferir dois filmes que citasse: "Cinema, Aspirinas e Urubus” e “O Céu de Suely". São bons, é?

Museu do Cinema said...

Estou meio por fora, ainda não conferi esse, nem o céu, nem cinema, aspirinas, vi o baixio e percebi que aquilo não é cinema.

Otavio Almeida said...

Nossa! É bom assim, Kamila? Está em DVD?

Não sei, mas quando leio o nome desse filme, eu me lembro do Mussum, dos Trapalhões.

Bjs!

Weiner said...

Puxa, com essa cotação a gente fica bastante tentado a assistir o filme... "Mutum" trata do universo infantil pelo visto, o que gosto muito, e provavelmente vai receber boas críticas de minha parte também. O filme de Bergman, "fanny e Alexander" possui uma temática semelhante, mas este filme eu não gostei não; me frustrou absolutamente.
Abraço!

Marfil said...

Como fã de Guimarães Rosa. Fiquei plenamente satisfeito com MUTUM. Uma história deliciosa, um filme delicioso.

Vinícius P. said...

Todo mundo está comentando esse filme, estou muito ansioso para vê-lo - parece ser um dos melhores nacionais do ano passado. Abraço!

Kamila said...

William, eu não fui assistir "Mutum" esperando um filme piegas. Eu me surpreendi mesmo com a ótima qualidade da obra.

Wally, não sabia que "Mutum" tinha sido inspirado em uma obra do Guimarães Rosa e fiquei curiosa em ler o livro após assistir ao filme.

Ramon, tanto "Cinema, Aspirinas e Urubus" quanto "O Céu de Suely" são filmes maravilhosos. O segundo irá estrear neste mês no Cinemax, se você tiver este canal.

Cassiano, também assisti "O Baixio das Bestas" e concordo com você: aquilo não é cinema.

Otavio, "Mutum" é um filme excelente. Não sei se foi lançado ainda em DVD. Assisti numa mostra de cinema brasileiro que está tendo aqui em Natal. O nome do filme é bem interessante.

Weiner, já eu gosto muito de "Fanny e Alexander". "Mutum" interpreta o mundo dos adultos através do olhar infantil. É uma abordagem bem interessante.

Marfil, eu tenho que ler o livro do Guimarães Rosa.

Vinícius, "Mutum" é mesmo um dos melhores filmes nacionais do ano passado. Não é à tôa que também foi premiado no Festival de Berlim desse ano.

Abraços!

Romeika said...

9,7, que notaço! Mas diz aí o que tanto de bom o filme tem, além do ótimo elenco infantil.. Tem cara de filme que emociona a gente, estou errada?

Pedro Henrique said...

Interesantíssimo, diga-se de passagem...

Quero muito vê-lo...muito.

*Comentei no teu post de "Reine Sobre Mim", vê lá depois...

Abraço!!!

Kamila said...

Romeika, o roteiro do filme foi que me impressionou. Os diálogos dos meninos chegam a ser muito bonitos, simples e singelos. "Mutum" é aquela obra simples, mas que se conecta conosco.

Pedro, assista mesmo ao filme. Vou dar uma passada no post de "Reine Sobre Mim".