Tuesday, March 25, 2008

Os Cem Anos de David Lean

Se estivesse vivo, o cineasta inglês David Lean completaria hoje, dia 25 de março, 100 anos de idade. Nascido na cidade de Croydon, no condado de Surray (Inglaterra), Lean era de uma família bastante tradicional, que o proibia de ir ao cinema durante a infância. Até chegar ao posto de diretor de um longa-metragem (sua estréia aconteceu em 1942, com o filme “Nosso Barco, Nossa Alma”, que ele co-dirigiu com Noel Coward), Lean serviu chá e exerceu as funções de carregador de latas de negativos, editor e mensageiro num estúdio londrino.

O reconhecimento veio com as suas adaptações de duas famosas obras do escritor Charles Dickens: “Grandes Esperanças” (1946) e “Oliver Twist” (1948). No entanto, David Lean deixou sua marca definitiva no cinema com filmes que carregavam em si as grandes marcas do estilo do diretor, como o perfeccionismo e o detalhismo. São eles: “A Ponte do Rio Kwai” (1957), “Lawrence da Arábia” (1962) e “Doutor Jivago” (1965).

Com estes filmes, os quais possuem uma característica clássica e refinada, David Lean influenciou uma série de outros diretores – notadamente o diretor Anthony Minghella (que faleceu recentemente) e seu “O Paciente Inglês” (1996).

David Lean recebeu, em 1984, o título de Cavaleiro do Império Britânico e faleceu no dia 16 de Abril de 1991, em Londres, pouco tempo antes de começar as filmagens de “Nostromo”, filme que seria baseado na obra homônima de Joseph Conrad.

Para homenagear o diretor, o Cinéfila por Natureza coloca aqui o vídeo de uma das mais clássicas trilhas sonoras de todos os tempos: a de “Doutor Jivago”, composta pelo francês Maurice Jarre (que também trabalhou com David Lean em “Lawrence da Arábia”). A apresentação aconteceu em 1992, num tributo feito ao diretor.


13 comments:

Pedro Henrique said...

100 anos já?
“Oliver Twist” e “Lawrence da Arábia” são os únicos que vi, ambos ótimos filmes.

Bela homenagem Kamila.

Ya

Museu do Cinema said...

Kamila, que linda homenagem, música e cinema parecem feitos um para o outro.

David Lean é um nome de respeito, Dr. Jivago e Lawrence da Arabia numa mesma lista já diz quem é ele. Eu tb gosto de Grandes Esperanças, pq acho a história do livro perfeita demais, tanto q adorei tb a versão mais nova daquele cineasta mexicano.

Gostei dessa nova sessão do seu blog, não sei se é sua intenção em continuar, mas já fiquei curioso para os próximos.

Wally said...

Que eu me lembre, vi apenas Doutor Zhivago mesmo. Isso, nem Lawrenc da Árabia eu cheguei a ver. Mas deu para ter um gosto do quanto é um ótimo cineasta, épico e apaixonado pelo cinema. Zhivago é um belíssimo filme, mesmo que não uma obra-prima. E essa trilha sonora é marcante. Lembro até hoje da cena da despedido no bondinho, e ele correndo atrás dela. Linda! Ah, e Desejo e Reparação me remeteu brevemente ao filme dele.

Enfim, bela homenagem!

Ciao!

Daniell said...

Poxa, David Lean é o diretor que me lembra sempre da minha ignorância cinematográfica, pois ainda não assisti nenhum dele. Pelo menos não que eu me lembre, se bem que, pelo que dizem, se tivesse assistido algum filme dele eu certamente me lembraria. Doutor Jivago e Lawrence da Arabia estão na minha lista, brevemente assistidos.

Otavio Almeida said...

Bela homenagem! E vc sabe que eu adoro o diretor, mas não sabia dessa data... Lean foi um dos maiores!!

Bjs!

Romeika said...

Kamila, desse cineasta soh vi "Lawrence da Arabia", mas gostaria muito de conhecer mais de sua obra, que parece tender pra esse lado do cinema grandioso e epico.. Ele deve ter sido um dos pioneiros em Hollywood. Essa trilha sonora eh inesquecivel!

Moacy Cirne said...

Para mim, o melhor filme de Lean -e um dos melhores do cinema - é o incomparável "Brief encounter / Desencanto", uma das mais sensíveis e delicadas obras da cinematografia inglesa. Abraços.

Vinícius P. said...

Putz, não vi nenhum dessesfilmes, incluindo esses três bastante comentados - especialmente "Lawrence da Arábia", o qual sempre tive curiosidade. De qualquer forma belo texto, espero conferir algum tabalho do diretor em breve. Abraço!

Rogerio said...

Ahhhh, lindíssima homanagem.
Lawrence da Arabia e Ponte do Rio Kwai são magníficos.Já Dr. Jivago não me enlouquece tanto como os dois primeiros, mas o Tema de Lara é indiscutivelmente uma das mais classicas e reconhecidas trilhas do mundo.
Qualquer cidadão por mais desligado que seja,conhece a musica.

Ramon Scheidemantel said...

Oliver Twist do David Lean ainda não vi. Lawrence da Arábia e Dr. Jivago são estupendos!

Caramba, essa trilha é perfeita.
Belo post!

Kamila said...

Obrigada, Pedro!

Cassiano, eu também acho que música e cinema combinam perfeitamente. Não sou muito fã do "Grandes Esperanças" de Alfonso Cuarón. E, sempre que tivermos uma data especial relacionada a uma personalidade do cinema, faremos uma menção no blog. Foi assim com os 15 anos da morte de Audrey Hepburn e, agora, com o centenário de David Lean.

Wally, obrigada. Eu assisti "Lawrence da Arábia" naquele especial do TCM, que passou vários filmes clássicos.

Daniell, confira mesmo a obra do Lean.

Otavio, sei o quanto você gosta do diretor. E, obrigada!

Romeika, acho que ele foi um dos pioneiros nesse tipo de cinema grandioso. Pelo menos, naquela época, ele era craque nisso.

Moacy, não assisti a este filme, mas vou ver se consigo encontrá-lo em algum canto.

Vinícius, como eu disse ao Daniell, assista mesmo à obra do David Lean.

Rogerio, é verdade. O Lara's Theme é uma daquelas trilhas clássicas de cinema.

Obrigada, Ramon!

Weiner said...

Kamila, eu adoro os filmes de Lean, para mim é um grande diretor. De seus filmes (que assisti) o meu preferido é "Passagem para a Índia", o qual inclusive comprei. A trilha sonora deste filme é excepcional, e também tem ela no Youtube, nesta mesma apresentação de homenagem feita pelo maestro Maurice Jarre. Excelente lembrança, Lean foi para o cinema o que George Stevens e William Wyler foram: gênios criadores de grandes epopéias cinematográficas.
Abraço!

Kamila said...

Obrigada, Weiner!